sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia diz que reintrodução da pena de morte na Turquia viola direitos humanos

A Amnistia Internacional (AI) reagiu esta segunda-feira às declarações do Presidente da Turquia sobre a eventual reintrodução da pena de morte, ao considerar que "viola os tratados internacionais de direitos humanos" e a "própria Constituição do país".

"A AI recebeu com alarme as declarações de que poderia restaurar a pena de morte com efeito retroativo como castigo para os responsáveis da tentativa de golpe de Estado. Esta medida violaria os tratados internacionais de direitos humanos de que a Turquia faz parte, e a própria Constituição do país", refere o comunicado ao citar Fotis Filippou, diretor-adjunto para a Europa da ONG de direitos humanos.

No domingo, e no decurso de um comício contra o golpe falhado de 15 de julho e que juntou cerca de um milhão de pessoas em Istambul, o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan defendeu a restauração da pena de morte no país "porque se utiliza na maioria do mundo" e é um "pedido do povo" na sequência da tentativa de sublevação militar.

"O parlamento deve decidir sobre a pena de morte. Se a aprovar, assinarei", acrescentou perante os seus apoiantes.

No comunicado emitido deste Madrid, a Amnistia recorda que a "atroz violência" dos que estiveram envolvidos na tentativa de golpe de Estado em 15 de julho "provocou a trágica perda de mais de 200 vidas", salienta que o Governo turco "deve levar todos os responsáveis desses delitos perante a justiça" mas que "deve fazê-lo através de julgamentos justos em que não se aplique a pena de morte".

"A Turquia aboliu a pena de morte para todos os delitos em 2004 e é um dos 103 países que o fizeram. A reintrodução deste expoente máximo de pena cruel, inumana e degradante suporia um forte revés para os direitos humanos", conclui o texto da Amnistia Internacional.

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.