sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 50 mortos durante fim de semana em protestos na Etiópia

© Tiksa Negeri / Reuters

Cerca de 50 pessoas foram mortas em confrontos ocorridos no último fim de semana na Etiópia, entre a polícia e manifestantes contra o Governo, indicaram fontes da oposição e diplomáticas.

Os protestos estenderam-se por toda a região de Oromia e chegaram mesmo à capital, Adis Abeba, um acontecimento raro num país com um Governo considerado um dos mais repressivos em África.

"Temos relatos de entre 48 e 50 manifestantes mortos em Oromia. Este balanço de vítimas mortais poderá ser maior, porque houve muitos feridos", disse Merera Gudina, líder do partido da oposição Oromo People's Congress.

Um diplomata confirmou que 49 pessoas morreram por toda a Oromia, uma região que abrange o centro-oeste da Etiópia, e em Amhara, no norte do país.

© Tiksa Negeri / Reuters

"Parecem ser protestos de nível básico, bastante desorganizados e espalhados por todo o lado. A resposta brutal do Governo corre o risco de provocar mais raiva e piorar a situação", disse o diplomata citado pela agência de notícias francesa, AFP, a coberto do anonimato.

Segundo a Amnistia Internacional (AI), que cita "fontes credíveis", o número de mortos foi de pelo menos 67, e registaram-se também centenas de feridos, porque "as forças de segurança etíopes dispararam balas verdadeiras sobre manifestantes pacíficos em toda a região de Oromia", que saíram à rua para exigir "reformas políticas, justiça e a aplicação da lei".

© Tiksa Negeri / Reuters

No comunicado divulgado, a AI precisa que "o maior banho de sangue - que poderá ser classificado como execuções sumárias - ocorreu na cidade de Bahir Dar, no norte do país, onde pelo menos 30 pessoas foram mortas num dia".

"A resposta das forças de segurança foi pesada, mas não surpreendente. As forças etíopes têm sistematicamente usado força excessiva nas suas tentativas malsucedidas para silenciar vozes dissidentes", disse Michelle Kagari, vice-diretora regional da Amnistia Internacional para a África Oriental, Corno de África e região dos Grandes Lagos.

"Estes crimes devem ser imediata, imparcial e eficazmente investigados e todos os suspeitos de responsabilidade criminal devem ser levados à justiça em julgamentos justos, em tribunais civis normais, sem recurso à pena de morte", sustentou a responsável da AI.

As autoridades bloquearam desde sexta-feira o acesso às redes sociais, o principal instrumento utilizado pelos ativistas para convocar os protestos.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.