sicnot

Perfil

Mundo

Espanhóis preocupados com falta de Governo

Reuters

​A preocupação dos espanhóis com a falta de Governo aumentou quase dois pontos percentuais no último mês, de 4,8% para 6,4%, indicou hoje o barómetro do Centro de Investigações Sociológicas (CIS).

A preocupação com a falta de governo é um dos principais problemas dos cidadãos, depois do desemprego e da corrupção, de acordo com o barómetro, cujos dados foram recolhidos entre 1 e 11 de julho, alguns dias depois da realização das segundas legislativas em Espanha em seis meses.

O primeiro escrutínio realizou-se a 20 de dezembro e o segundo a 26 de junho.

O desemprego continua a liderar a lista das preocupações dos espanhóis, com 75,5%, seguido pela corrupção (43,4%) e pelos problemas económicos (22,8%), apesar de estes três grandes temas registarem uma ligeira descida.

Em quarto lugar, surge a preocupação com os políticos e os partidos (19,4%), embora com uma ligeira descida relativamente ao mês anterior. Em seguida, a saúde (12%) e a educação (10,4%), que registaram um aumento.

Os problemas de carácter social caíram para o sétimo lugar da lista, passando de 11,9 para 8,9%.

Em oitavo lugar, mantém-se a falta de governo (6,4%), que regista uma subida, na sequência da realização das segundas eleições e da falta de acordo entre os partidos políticos para formarem um novo executivo no mês passado.

Já em abril, depois de o líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez, não ter conseguido formar governo, este problema subiu para 7,1% nas preocupações dos espanhóis.

Os problemas relacionados com a qualidade do emprego (5,9%) e as pensões (4,2%) encerram o grupo das primeiras dez preocupações dos espanhóis. Deste grupo saiu a imigração, que desceu de 3,3 para 2,9%, mas ainda à frente da insegurança, que passa de 3,1 para 2%.

O terrorismo internacional registou um aumento, de 1,5 para 2,1%, verificado antes dos atentados de Nice (França), a 14 de julho, ou o tiroteio num centro comercial de Munique (Alemanha), a 22 de julho.

A independência da Catalunha (comunidade autónoma no nordeste do país) continua a ser um problema que não preocupa muito os espanhóis, já que desceu de 0,7 para 0,2%, apesar de este inquérito ter sido realizado antes de o Parlamento catalão ter aprovado a independência unilateral.

A questão dos nacionalismos registou uma ligeira subida de 0,6 para 0,8%.

Sobre a situação política espanhola, três em cada quatro respostas (77,1%, menos três pontos que em junho) afirmam que está "mal" ou "muito mal" e apenas 2,1% a vê como "positiva" e 18,3 como normal. Apenas 16,7% dos inquiridos esperam que melhore no prazo de um ano, contra 25,4% que acreditam num agravamento da situação.

Em relação a há dois meses, 6,2% acreditam que a situação melhorou, enquanto 40% consideram ter piorado. Metade (50,1%) afirmou ser idêntica.

Sobre o panorama económico, diminuiu ligeiramente a percentagem de espanhóis com má impressão, de 67,9 para 64,1%, enquanto 4% têm uma impressão positiva, contra 3,2% em junho.

Um em cada quatro espanhóis (19,3%) acreditam que a economia vai melhorar no prazo de um ano, 39,3% acreditam que se vai manter inalterada e 23% que vai piorar.

Lusa

  • "Governo quando precisa de um ajuste financeiro pensa logo em aumentar impostos"
    25:52

    Luís Marques Mendes

    Luís Marques Mendes comenta a atualidade nacional e internacional. Sobre a polémica da alteração do cálculo do IMI o comentador diz que o "Governo quando precisa de um ajuste financeiro pensa logo em aumentar impostos". Para Luís Marques Mendes o novo decreto-lei é ilegal. Ainda sobre outra polémica a envolver o executivo de António Costa, o caso das viagens dos secretários de Estado patrocionadas pela Galp, Marques Mendes acha que Rocha Andrade "está dimimuído na sua autoridade" e devia tomar a iniciativa de sair do Governo. O comentador falou ainda sobre os últimos desenvolvimentos da candidatura de António Guterres à ONU, do impasse político em Espanha e da abertura dos Jogos Olímpicos.

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41