sicnot

Perfil

Mundo

Imperador do Japão assume dificuldade em continuar a assumir responsabilidade do cargo

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O imperador Akihito do Japão disse hoje que por causa da sua idade e estado de saúde tem "muitas limitações" e será difícil "continuar a assumir responsabilidades importantes", numa mensagem ao país transmitida pela televisão.

"Preocupa-me que comece a ser difícil para mim continuar a assumir as minhas responsabilidades como símbolo do Estado tal como fiz até agora", disse Akhito, de 82 anos.

Na segunda declaração ao país deste tipo desde que chegou ao trono, em 1989, o imperador não disse diretamente querer abdicar, algo que a atual lei sobre a Casa Imperial, que define o estatuto jurídico do imperador, não prevê.

Para satisfazer a vontade de Akihito, será necessário proceder a uma revisão do texto, o que explica o prazo de alguns anos para o imperador concretizar a intenção de abdicar referido pela imprensa nas últimas semanas.

"Depois de duas operações cirúrgicas e por causa da minha idade avançada, comecei a sentir um declínio no meu estado físico", reconheceu o imperador, para quem "não é possível continuar a reduzir perpetuamente" as tarefas que desempenha".

Nos últimos anos, e por causa dos problemas de saúde, o imperador começou a delegar no filho, Naruhito, algumas obrigações de agenda.

"Quando um imperador adoece ou o seu estado de saúde é grave preocupa-me, como aconteceu no passado, que a sociedade entre em ponto morto ou que essa situação possa ter impacto na vida das pessoas (...). Penso por vezes em como isso poderia ser evitado", afirmou, na declaração que fez ao país.

A Casa Imperial japonesa havia anunciado na sexta-feira que o imperador falaria hoje à nação numa mensagem-vídeo, três semanas depois de várias notícias sobre a possibilidade de o soberano abdicar do trono.

"O imperador vai expressar os seus sentimentos sobre as suas funções enquanto símbolo" da nação, num discurso gravado em vídeo, que vai ser difundido às 15:00 (07:00 em Lisboa), na segunda-feira, declarou um porta-voz na semana passada.

De acordo com a Constituição pacifista japonesa, que entrou em vigor após o fim da Segunda Guerra Mundial, o imperador desempenha "funções de representação do Estado" e é "o símbolo da nação e da unidade do povo".

Esta foi a segunda vez que Akihito, de 82 anos, falou publicamente desta forma. A primeira ocorreu algumas horas após o maremoto e acidente nuclear de Fukushima de 11 de março de 2011.

Akihito, que acedeu ao trono em 1989 após a morte do pai, Hirohito (1926-89), sofre de vários problemas de saúde, incluindo cancro da próstata, e já foi submetido a uma cirurgia cardíaca.

No ano passado, durante uma conferência de imprensa, o imperador japonês afirmou que começava a "sentir a idade" e que já tinha "acontecido cometer erros em cerimónias".

O Japão não assiste a uma abdicação desde 1817.

Lusa

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.