sicnot

Perfil

Mundo

Imperador do Japão assume dificuldade em continuar a assumir responsabilidade do cargo

© Kim Kyung Hoon / Reuters

O imperador Akihito do Japão disse hoje que por causa da sua idade e estado de saúde tem "muitas limitações" e será difícil "continuar a assumir responsabilidades importantes", numa mensagem ao país transmitida pela televisão.

"Preocupa-me que comece a ser difícil para mim continuar a assumir as minhas responsabilidades como símbolo do Estado tal como fiz até agora", disse Akhito, de 82 anos.

Na segunda declaração ao país deste tipo desde que chegou ao trono, em 1989, o imperador não disse diretamente querer abdicar, algo que a atual lei sobre a Casa Imperial, que define o estatuto jurídico do imperador, não prevê.

Para satisfazer a vontade de Akihito, será necessário proceder a uma revisão do texto, o que explica o prazo de alguns anos para o imperador concretizar a intenção de abdicar referido pela imprensa nas últimas semanas.

"Depois de duas operações cirúrgicas e por causa da minha idade avançada, comecei a sentir um declínio no meu estado físico", reconheceu o imperador, para quem "não é possível continuar a reduzir perpetuamente" as tarefas que desempenha".

Nos últimos anos, e por causa dos problemas de saúde, o imperador começou a delegar no filho, Naruhito, algumas obrigações de agenda.

"Quando um imperador adoece ou o seu estado de saúde é grave preocupa-me, como aconteceu no passado, que a sociedade entre em ponto morto ou que essa situação possa ter impacto na vida das pessoas (...). Penso por vezes em como isso poderia ser evitado", afirmou, na declaração que fez ao país.

A Casa Imperial japonesa havia anunciado na sexta-feira que o imperador falaria hoje à nação numa mensagem-vídeo, três semanas depois de várias notícias sobre a possibilidade de o soberano abdicar do trono.

"O imperador vai expressar os seus sentimentos sobre as suas funções enquanto símbolo" da nação, num discurso gravado em vídeo, que vai ser difundido às 15:00 (07:00 em Lisboa), na segunda-feira, declarou um porta-voz na semana passada.

De acordo com a Constituição pacifista japonesa, que entrou em vigor após o fim da Segunda Guerra Mundial, o imperador desempenha "funções de representação do Estado" e é "o símbolo da nação e da unidade do povo".

Esta foi a segunda vez que Akihito, de 82 anos, falou publicamente desta forma. A primeira ocorreu algumas horas após o maremoto e acidente nuclear de Fukushima de 11 de março de 2011.

Akihito, que acedeu ao trono em 1989 após a morte do pai, Hirohito (1926-89), sofre de vários problemas de saúde, incluindo cancro da próstata, e já foi submetido a uma cirurgia cardíaca.

No ano passado, durante uma conferência de imprensa, o imperador japonês afirmou que começava a "sentir a idade" e que já tinha "acontecido cometer erros em cerimónias".

O Japão não assiste a uma abdicação desde 1817.

Lusa

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.