sicnot

Perfil

Mundo

Demitidos mais 2.560 membros do clero muçulmano na Turquia

A Direção dos assuntos religiosos (Diyanet), poderosa instituição pública turca, anunciou o despedimento de 2.560 empregados no âmbito da vasta purga que decorre no país desde o fracassado golpe militar, que Ancara associa ao teólogo Fethullah Gülen.

O ex-imã que se exilou nos Estados Unidos da América em 1999 é acusado de ter organizado a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho e a Turquia pede a sua extradição.

Estas 2.560 pessoas juntam-se aos 1.112 empregados da Diyanet que já foram afastados das suas funções, indicou o organismo.

"As comissões criadas para excluir os alegados simpatizantes de Gülen fazem um trabalho rigoroso", acrescenta um comunicado.

A Diyanet, ligada diretamente ao primeiro-ministro, foi instituída para assegurar o controlo do islão sunita, a corrente do islão predominante na Turquia, e é criticada pelos laicos por promover um tratamento discriminatório de outras correntes muçulmanas, em particular a minoria alevi, uma derivação do islão xiita.

Os ministros do culto muçulmano sunita são funcionários pagos pelo Estado. A Diyanet emprega mais de 100.000 funcionários e o seu orçamento é considerável, ultrapassando o concedido a diversos ministérios, incluindo a Saúde.

Dezenas de milhares de funcionários foram destituídos desde o abortado golpe de Estado e após terem sido acusados de ligações ao ex-imã e dirigente da poderosa organização Hizmet (Serviço). A purga visou designadamente o exército, justiça, media e o ensino.

Cerca de 16.000 pessoas foram indicadas e estão detidas, enquanto outras 6.000 permanecem em detenção provisória, referiu o ministro da Justiça, Bekir Bozdag.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.