sicnot

Perfil

Mundo

Incêndios florestais ativos na Galiza em área superior a 500 hectares

© Michael Fiala / Reuters

Dois incêndios florestais nas localidades espanholas de Caldas de Reis e Cotobade, em Pontevedra, afetam, cada um, uma área superior a 200 hectares, indicam hoje os últimos dados do departamento de Meio Rural do governo autónomo da Galiza.

O departamento decretou a "situação 2" por existir um risco para a população nestes incêndios ainda ativos em Saiar, Caldas dos Reis e pela proximidade do fogo na zona de Castro de Agudin, Tenorio, na localidade de Cotobade.

No primeiro caso, o fogo começou às 15:50 (14:50 em Lisboa) de segunda-feira e está a ser combatido por um dispositivo que inclui dez helicópteros e dois aviões.

O incêndio em Cotobade começou às 17:20 (16:20 em Lisboa) de segunda-feira e os bombeiros no terreno estão a ser apoiados por 12 helicópteros, além de efetivos da Unidade Militar de Emergências.

As autoridades galegas informaram também que se mantém ativo um outro incêndio, que começou às 22:15 (21:15) de segunda-feira, em Queimadelos, no município de Mondariz (Pontevedra), numa área de 150 hectares.

Foi também decretada a "situação 2" neste incêndio florestal por as chamas estarem próximas da localidade de Cumiar e A Coutada, o que representa um risco para a população.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41