sicnot

Perfil

Mundo

Vaticano abre processo contra padre condenado no Chile por pedofilia

A Congregação dos Legionários de Cristo no Chile informou que o Vaticano instruiu um processo canónico, que se realizará em Roma, "sobre as acusações apresentadas em sede eclesiástica" contra o padre irlandês John O'Reilly, acusado de abuso sexual.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, a congregação refere que "recebeu a notícia recentemente de que a Congregação para a Doutrina da Fé institui um tribunal eclesiástico em Roma" que será o que vai tratar o caso.

Não foram avançadas datas para o início do julgamento ou a pena passível de ser aplicada.

O sacerdote O'Reilly, um dos mais influentes do Chile, próximo dos círculos empresariais e políticos, foi declarado culpado de abusos sexuais repetidos contra uma menor entre 2010 e 2012 numa escola em Santiago, onde era guia espiritual.

Foi condenado em novembro de 2014 a quatro anos de liberdade sob vigilância, depois dos quais será expulso do Chile.

Em março de 2015 o padre já tinha perdido a nacionalidade chilena que lhe tinha sido concedida em 2008.

O'Reilly reivindica inocência e nega as acusações que lhe foram imputadas, segundo um relatório recente da polícia no Chile.

A igreja chilena pediu publicamente perdão em abril de 2011 pelos casos de pedofilia que implicaram cerca de vinte padres.

Lusa

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.