sicnot

Perfil

Mundo

EUA prometem mais 33 milhões de euros para vítimas do Boko Haram

© Luc Gnago / Reuters

Os Estados Unidos vão ajudar com mais 37 milhões de dólares (33 milhões de euros) as populações da região do lago Chade, vítimas da revolta do grupo extremista nigeriano Boko Haram, anunciaram esta quarta-feira diplomatas norte-americanos.

"O Governo norte-americano, através da sua agência de ajuda ao desenvolvimento USAID, dará mais 37 milhões de dólares em complemento da ajuda humanitária que já está a ser disponibilizada" na região, indica um comunicado da missão diplomática dos Estados Unidos da América em Abuja, precisando que o dinheiro se destina sobretudo aos habitantes de Diffa, no sul do Níger.

Washington já disponibilizou 318 milhões de dólares (284,7 milhões de euros) desde 2015 para apoio humanitário na região.

Nas últimas semanas, numerosas organizações não-governamentais pediram uma "mobilização em massa" dos doadores para enfrentar um "desastre humanitário", nomeadamente no Estado de Borno, no nordeste da Nigéria, segundo os Médicos Sem Fronteiras.

"Há grande urgência" para "manter vivas as pessoas" na região do lago Chade, disse Toby Lanzer, coordenador humanitário regional da ONU para o Sahel, quando estimativas do Fundo das Nações Unidas para a Infância indicam que perto de 50.000 crianças se arriscam a morrer de fome até ao fim do ano.

Os EUA são os maiores contribuidores na zona. A semana passada a Comissão Europeia anunciou que a União Europeia juntará 12,5 milhões de euros aos 58 milhões prometidos em meados de julho.

O Boko Haram pretende instaurar um Estado islâmico no norte da Nigéria, maioritariamente muçulmana ao contrário do sul, de maioria cristã.

A sua revolta já causou mais de 20.000 mortos e obrigou mais de 2,6 milhões a deixarem as suas casas, depois de ter começado em 2009 no nordeste da Nigéria, estendendo-se depois ao Níger, ao Chade e aos Camarões.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.