sicnot

Perfil

Mundo

Human Rights Watch pede investigação à morte de jovem a tiro em Luanda

A Human Rights Watch (HRW) pediu hoje uma investigação "imediata e imparcial" à morte de um rapaz de 14 anos, alegadamente atingido a tiro em Luanda por militares durante um "protesto pacífico" contra a demolição de centenas de casas.

Em comunicado enviado hoje à Lusa, a organização internacional de defesa dos direitos humanos afirma que o uso pelo Governo de polícia militar numa "manifestação contra a demolição de casas", para um projeto de desenvolvimento, "levanta sérias preocupações sobre o uso desnecessário das forças de segurança da força letal".

A Lusa noticiou na segunda-feira a morte de um rapaz de 14 anos, atingido a tiro alegadamente por militares a 5 de agosto, no bairro Walale, na sequência de um processo de demolições de centenas de casas na zona do Zango III, arredores de Luanda, conforme denúncia feita na altura pela organização não-governamental angolana SOS Habitat.

O caso tem motivado contestação pública na sociedade angolana, exigindo uma investigação ao sucedido e apoio à família do rapaz, que segundo os mesmos relatos estaria a opor-se à demolição da casa dos pais. Terá sido atingido, segundo relatos de testemunhas no local, no pescoço por um dos disparos feitos pelos militares para dispersar a multidão que contestava as demolições.

"Soldados angolanos dispararam munição real durante um protesto pacífico e o resultado não surpreendente é a morte de um adolescente", acusa, no mesmo comunicado emitido hoje, o diretor para África da HRW, Daniel Bekele.

Aquele responsável exorta as autoridades angolanas a fazer uma investigação imediata à utilização de fogo real e que levem a julgamento os responsáveis "por qualquer irregularidade" neste caso, além de "tomarem medidas para evitar o derramamento de sangue no futuro".

Os familiares da vítima denunciaram que o cadáver do rapaz foi levado por militares para parte incerta e apenas no sábado o corpo foi localizado numa morgue de Luanda, registado "como uma criança desconhecida que foi morta a tiro", segundo Rafael Morais, da SOS Habitat.

"A SOS Habitat vai avançar para outros passos, para a Justiça, para que a Justiça seja feita. Vamos ajudar a família a arranjar um advogado no sentido de poder saber o que é se passou ou de encontrar o autor do disparo contra o rapaz", disse anteriormente à Lusa o responsável daquela organização angolana.

Rafael Morais acrescentou que no Zango II mais de 2.500 famílias foram afetadas pelas demolições e no Zango III mais de 620 residências.

As autoridades alegam, entre outros motivos, que as casas foram construídas no perímetro reservado da Zona Económica Especial Luanda-Bengo, acusações negadas pelos moradores.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • Avicii tinha deixado os palcos há 2 anos por motivos de saúde
    2:14
  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Portugal compromete-se a enviar profissionais de saúde para África
    2:39
  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Karlie Kloss, o "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59