sicnot

Perfil

Mundo

Imprensa revela medidas contra o terrorismo na Alemanha

O ministro Thomas de Maizière defende a aplicação de medidas que podem acelerar a expulsão de refugiados ou de requerentes de asilo.

© Fabrizio Bensch / Reuters

O ministro do Interior alemão prepara uma série de medidas para reforçar a luta contra o terrorismo, na sequência dos ataques registados em julho, reivindicados pelo Daesh.

De acordo com o jornal alemão Bild, que cita fontes ligadas às autoridades de Berlim, o ministro Thomas de Maizière, defende a aplicação de medidas que podem acelerar a expulsão de refugiados ou de requerentes de asilo e que "representem um perigo para a segurança pública".

A medida surge na sequência dos atentados no sul da Alemanha, no mês de julho.

Um dos ataques fez cinco feridos quando um jovem - provavelmente afegão - atacou as pessoas que se encontravam numa estação ferroviária e o segundo ataque, cometido por um sírio, provocou 15 feridos junto à entrada de um festival de música.

Por outro lado, o ministro do Interior alemão pretende que as autoridades de Berlim venham a ter acesso a informações médicas dos indivíduos para que as autoridades sejam informadas "a tempo" de eventuais crimes que possam estar a ser planeados pelos supostos atacantes.

Em julho, segundo as autoridades, um jovem que sofria de perturbações mentais, inspirado pelo norueguês de extrema-direita, Anders Behring Breivik, abateu a tiro nove pessoas antes de se suicidar, em Munique.

Ainda segundo a imprensa, Maizière pretende fazer aprovar, durante o mês de agosto, a "Declaração de Berlim" que deve contar com a colaboração dos ministros do Interior das várias regiões do país e que, entre outras medidas, prevê restringir os pedidos de nacionalidade.

A mesma declaração defende também o recrutamento de novos 15 mil elementos destinados ao corpo de polícia, até 2020, a criação de um centro de luta contra os crimes informáticos e o combate ao tráfico de armas que utiliza a internet como meio de transação ilegal de material bélico.

O mesmo documento apela também à criação de legislação que impede o financiamento de organizações extremistas a mesquitas, na Alemanha, assim como pede a expulsão de "responsáveis religiosos estrangeiros" que defendem o "ódio".

As medidas devem ser anunciadas formalmente durante uma conferência de imprensa em Berlim, na quinta-feira.

Lusa

  • Jovem de 15 anos detido na Alemanha por suspeitas de terrorismo

    Mundo

    Um jovem de 15 anos foi detido na Alemanha, suspeito de estar a preparar um ataque terrorista nos arredores de Estugarda. A polícia descobriu no apartamento do suspeito um pequeno arsenal, que incluía balas, facas e material explosivo. Sabe-se que o jovem mantinha contacto com o atirador de Munique, um jovem de 18 anos. De acordo com a polícia, foram ainda encontrados mapas e desenhos que indicavam o local do possível ataque, além de instruções para a construção de explosivos. O jovem está neste momento numa ala psiquiátrica.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.