sicnot

Perfil

Mundo

ONU alerta para impacto negativo da publicidade nas crianças

© Tyrone Siu / Reuters

​A publicidade dirigida às crianças poderá induzir desde idades muito precoces a comportamentos de consumo excessivo e endividamento no futuro, afirmaram hoje especialistas da ONU depois de analisarem a informação sobre o assunto.

"As mensagens comerciais que têm o potencial de formar nas crianças comportamentos financeiros e de consumo a longo prazo são cada vez mais numerosas e o seu alcance tem aumentado", afirmaram, numa declaração conjunta, os especialistas da ONU em dívida externa e direitos humanos, Juan Pablo Boholavsky, e sobre o direito à saúde, Dainius Puras.

Por ocasião do Dia Internacional da Juventude, que se celebra esta sexta-feira, ambos os especialistas questionaram os efeitos da publicidade nas crianças e concluíram que esta pode induzir a comportamentos irracionais e responder a estímulos para comprar produtos desnecessários.

Apontaram ainda o exemplo da publicidade que promove o consumo de comida com alto teor de açúcar e escasso valor nutricional, que prejudica a saúde e cujas consequências podem durar toda a vida.

Por isso, Boholavsky e Puras pediram aos governos que proíbam a publicidade, promoção e patrocínio por parte dos produtores de álcool, tabaco e alimentos pouco saudáveis nas escolas e em eventos desportivos infantis, assim como em outros lugares onde possam estar crianças.

Brasil, Canadá, Dinamarca e Noruega restringiram certas formas de publicidade dirigidas a menores.

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC