sicnot

Perfil

Mundo

Operação policial investiga crimes na brasileira Eletronuclear

© Sergio Moraes / Reuters

A polícia e o Ministério Público Federal (MPF) do Brasil desencadearam hoje a Operação Irmandade para investigar membros de uma organização criminosa que seria responsável pelo desvio de dinheiro público em obras da empresa do setor de energia Eletronuclear.

A ação é uma continuação da operação Pripyat, que por sua vez foi um desdobramento das investigações de corrupção na petrolífera estatal brasileira Petrobras.

A operação Pripyat, desencadeada no início de julho, investiga crimes de corrupção e branqueamento de capitais na construção da central de Angra 3 da Eletronuclear.

Ao todo, a justiça brasileira acusou mais 11 pessoas por crimes de branqueamento de capitais, formação de organização criminosa e falsidade ideológica.

Os suspeitos são acusados de usar empresas de fachada para emitir notas fiscais falsas a pedido de grandes construtoras que foram usadas nas obras dos estádios do campeonato do Mundo de futebol de 2014, da Ferrovia Norte-Sul e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

O empresário Samir Assad está entre os presos e é acusado de ter cometido delitos que vão do branqueamento de capitais à falsidade ideológica.

Samir Assad é irmão de Adir Assad, preso na operação Pripyat.

Os dois são suspeitos de liderar um núcleo que criou empresas de fachada responsáveis pelo branqueamento de cerca de 176 milhões de reais (50,25 milhões de euros) em dinheiro a pedido de construtoras brasileiras.

Lusa

  • Corpos das vítimas do acidente aéreo chegaram a Chapecó

    Acidente aéreo na Colômbia

    Chegaram esta manhã a Chapecó, no sul do Brasil, os corpos das vitimas do acidente aéreo que causou a morte de boa parte da equipa de futebol chapecoense. Depois da cerimónia no aeroporto, vai haver um velório coletivo no estádio do clube. A SIC Notícias está direto do aeroporto Chapecó. A correspondente Ivani Flora está no aeroporto a acompanhar as cerimónias. O Presidente Michel Temer e outras personalidades do estado brasileiro estão no local a prestar homenagem às vítimas.

    Direto

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.