sicnot

Perfil

Mundo

Tailândia aprovou Constituição da junta militar num referendo "livre e justo"

Reuters

As autoridades da Tailândia disseram que o referendo que aprovou a Constituição proposta pela junta militar no poder foi "livre e justo", em resposta a críticas de condicionamento do voto através de uma campanha de intimidação.

A União Europeia, os Estados Unidos e organizações de defesa dos Direitos Humanos denunciaram as restrições impostas pela junta militar nas semanas que antecederam o referendo de domingo passado.

Foi proibido qualquer debate público sobre a proposta em referendo e cerca de 100 defensores do "não" à nova Constituição foram detidos.

Bruxelas apontou as "sérias limitações às liberdades fundamentais" na campanha e Washington manifestou preocupação com o processo, denunciando que "não foi permitido o debate aberto".

Também a organização de defesa dos Direitos Humanos Amnistia Internacional denunciou "o clima de medo" criado pela junta militar com a "constante criminalização da dissidência pacífica, desenhada para silenciar os pontos de vista de que as autoridades não gostam".

O Ministério dos Negócios Estrangeiros respondeu, num comunicado, que o referendo se realizou de "forma livre, justa e transparente, de acordo com os padrões internacionais e os requisitos legais internos".

O Governo promoveu o referendo "de forma voluntária", para incentivar a participação, sublinha a mesma nota.

"Os cidadãos tiveram liberdade para expressar as suas opiniões sobre a proposta com boa-fé e de acordo com a lei (...). Nenhum daqueles que a criticaram questionaram o resultado" do referendo, acrescenta o texto.

O chefe da junta militar e primeiro-ministro, Prayut Chan-ocha, criticou, ainda no domingo, a "intervenção inapropriada de elementos estrangeiros".

"Todas estas interferências nos causaram sentimentos de desprezo por aqueles que se dizem amigos da Tailândia", afirmou.

A Comissão Eleitoral prevê divulgar hoje os resultados definitivos do referendo. Segundo os dados provisórios, o "sim" à Constituição ganhou com 61,4%.

A aprovação da Constituição facilita a marcação de eleições gerais, em 2017, reiterou na terça-feira a junta militar, que está no poder desde 2014, na sequência de um golpe de Estado.

Os militares tinham estabelecido a aprovação da nova Constituição como um passo prévio para convocar eleições e restabelecer a democracia.

A proposta de Constituição foi elaborada por um comité selecionado pela junta militar, que assegura que o novo texto favorece a luta contra a corrupção.

Entre os pontos mais polémicos da proposta está a criação de um Senado nomeado pela junta militar e do qual dependerá a aprovação de leis ou a designação de titulares de diversos cargos, incluindo judiciais.

Os críticos da proposta denunciam que consolida o poder dos militares e das elites conservadoras do país, ao mesmo tempo que fragiliza os titulares de cargos e governos eleitos.

A Tailândia já aprovou 19 Constituições desde 1932, quando a monarquia absolutista passou a monarquia constitucional. Quase todas as Constituições foram revogadas na sequência de intervenções militares.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.