sicnot

Perfil

Mundo

Cinco milhões de jovens europeus não estudavam nem trabalhavam em 2015

Quase cinco milhões de jovens entre os 20 e os 24 anos nos Estados-membros da União Europeia não estavam nem a estudar nem a trabalhar em 2015, conclui o Eurostat, num relatório divulgado hoje.

Na véspera do Dia Internacional da Juventude, o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE) divulgou uma parte dos dados do relatório "Educação, trabalho, ambos ou nenhum? O que andam a fazer os jovens da UE?".

A percentagem de jovens em situação de nem estudo nem trabalho -- 17,3%, de acordo com os últimos dados -- tem-se mantido "relativamente estável" entre 2006 e 2015, com as mudanças a sentirem-se mais ao nível dos Estados-membros, assinala o Eurostat.

Em 2015, registaram-se significativas diminuições em países como Alemanha e Bulgária e agravamentos substanciais em Itália, Grécia e Espanha -- países afetados pelas medidas de austeridade e onde cerca de um quarto dos jovens não estudava nem trabalhava em 2015.

Em Portugal, a percentagem também aumentou, ainda que em menor grau. Em 2015, os jovens portugueses de 20 a 24 anos estavam sobretudo a estudar (42,3%). A trabalhar estavam 31,7% e eram poucos os que acumulavam as duas coisas (8,5%). Já 17,5% não faziam nem uma coisa nem outra.

Ainda sobre a mesma faixa etária, a nível da UE, 33% dos jovens estão exclusivamente a estudar, um pouco mais do que os que estão unicamente a trabalhar (32,6%), enquanto 16,9% estão a fazer ambas as coisas.

"A proporção de jovens que não estão a trabalhar nem a estudar nem a receber formação aumenta consideravelmente com a idade", observa o Eurostat.

A União Europeia tem 90 milhões de pessoas com idades entre os 15 e os 29 anos, representando 17% da sua população total.

Em 2015, a maioria dos jovens entre os 15 e os 19 anos estava a estudar, enquanto a faixa etária dos 25 aos 29 se dedicava sobretudo ao trabalho.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.