sicnot

Perfil

Mundo

Cinco milhões de jovens europeus não estudavam nem trabalhavam em 2015

Quase cinco milhões de jovens entre os 20 e os 24 anos nos Estados-membros da União Europeia não estavam nem a estudar nem a trabalhar em 2015, conclui o Eurostat, num relatório divulgado hoje.

Na véspera do Dia Internacional da Juventude, o gabinete de estatísticas da União Europeia (UE) divulgou uma parte dos dados do relatório "Educação, trabalho, ambos ou nenhum? O que andam a fazer os jovens da UE?".

A percentagem de jovens em situação de nem estudo nem trabalho -- 17,3%, de acordo com os últimos dados -- tem-se mantido "relativamente estável" entre 2006 e 2015, com as mudanças a sentirem-se mais ao nível dos Estados-membros, assinala o Eurostat.

Em 2015, registaram-se significativas diminuições em países como Alemanha e Bulgária e agravamentos substanciais em Itália, Grécia e Espanha -- países afetados pelas medidas de austeridade e onde cerca de um quarto dos jovens não estudava nem trabalhava em 2015.

Em Portugal, a percentagem também aumentou, ainda que em menor grau. Em 2015, os jovens portugueses de 20 a 24 anos estavam sobretudo a estudar (42,3%). A trabalhar estavam 31,7% e eram poucos os que acumulavam as duas coisas (8,5%). Já 17,5% não faziam nem uma coisa nem outra.

Ainda sobre a mesma faixa etária, a nível da UE, 33% dos jovens estão exclusivamente a estudar, um pouco mais do que os que estão unicamente a trabalhar (32,6%), enquanto 16,9% estão a fazer ambas as coisas.

"A proporção de jovens que não estão a trabalhar nem a estudar nem a receber formação aumenta consideravelmente com a idade", observa o Eurostat.

A União Europeia tem 90 milhões de pessoas com idades entre os 15 e os 29 anos, representando 17% da sua população total.

Em 2015, a maioria dos jovens entre os 15 e os 19 anos estava a estudar, enquanto a faixa etária dos 25 aos 29 se dedicava sobretudo ao trabalho.

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.