sicnot

Perfil

Mundo

Indonésia diz que "não há lugar" para grupos LGBT

© Nguyen Huy Kham / Reuters

​Um porta-voz da presidência indonésia disse hoje à AFP que "não há lugar" para a comunidade gay no país, depois de defensores dos direitos humanos terem denunciado ataques homofóbicos sem precedentes.

A comunidade lésbica, gay, bissexual e transexual (LGBT) refere que se verifica uma "deterioração" dos direitos adquiridos na sequência de ataques verbais de ministros e membros de organizações islâmicas influentes na Indonésia, indica um relatório da Human Rights Watch (HRW).

Altos funcionários e instituições indonésias foram alvo este ano de ataques publicados de forma sistemática contra a comunidade gay, sublinha o mesmo relatório que se refere aos apelos que pedem, nomeadamente, que os homossexuais venham a ser impedidos de aceder às universidades.

Na sequência dos recentes ataques homofóbicos, responsáveis do Estado indonésio limitaram-se a afirmar que a proteção dos direitos da comunidade homossexual não é uma prioridade.

"Os direitos dos cidadãos em relação ao acesso ao ensino ou à obtenção de bilhete de identidade estão protegidos, mas não há lugar na Indonésia para a proliferação do movimento LGBT", disse à Agência France Presse o porta-voz da presidência, Johan Budi.

Entretanto, vários ministros têm lançado "ataques verbais" que visam a comunidade homossexual, entre os quais o titular da pasta do Ensino Superior que defendeu a aplicação da interdição a organizações LGBT aos recintos universitários.

O ministro da Defesa descreveu a atitude dos grupos LGBT pela defesa de direitos como uma "espécie de guerra moderna".

O relatório da organização Human Rights Watch denuncia que a provocação contra os grupos LGBT intensificou-se desde fevereiro tendo-se registado episódios de violência contra as minorias sexuais na Indonésia.

"O impacto da retórica anti-LGBT por parte dos representantes governamentais é muito forte" disse uma defensora dos direitos das lésbicas referindo-se ao relatório da Human Rights Watch acrescentando que na Indonésia se estão a "dar passos a trás" no que diz respeito aos direitos fundamentais.

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.