sicnot

Perfil

Mundo

Indonésia diz que "não há lugar" para grupos LGBT

© Nguyen Huy Kham / Reuters

​Um porta-voz da presidência indonésia disse hoje à AFP que "não há lugar" para a comunidade gay no país, depois de defensores dos direitos humanos terem denunciado ataques homofóbicos sem precedentes.

A comunidade lésbica, gay, bissexual e transexual (LGBT) refere que se verifica uma "deterioração" dos direitos adquiridos na sequência de ataques verbais de ministros e membros de organizações islâmicas influentes na Indonésia, indica um relatório da Human Rights Watch (HRW).

Altos funcionários e instituições indonésias foram alvo este ano de ataques publicados de forma sistemática contra a comunidade gay, sublinha o mesmo relatório que se refere aos apelos que pedem, nomeadamente, que os homossexuais venham a ser impedidos de aceder às universidades.

Na sequência dos recentes ataques homofóbicos, responsáveis do Estado indonésio limitaram-se a afirmar que a proteção dos direitos da comunidade homossexual não é uma prioridade.

"Os direitos dos cidadãos em relação ao acesso ao ensino ou à obtenção de bilhete de identidade estão protegidos, mas não há lugar na Indonésia para a proliferação do movimento LGBT", disse à Agência France Presse o porta-voz da presidência, Johan Budi.

Entretanto, vários ministros têm lançado "ataques verbais" que visam a comunidade homossexual, entre os quais o titular da pasta do Ensino Superior que defendeu a aplicação da interdição a organizações LGBT aos recintos universitários.

O ministro da Defesa descreveu a atitude dos grupos LGBT pela defesa de direitos como uma "espécie de guerra moderna".

O relatório da organização Human Rights Watch denuncia que a provocação contra os grupos LGBT intensificou-se desde fevereiro tendo-se registado episódios de violência contra as minorias sexuais na Indonésia.

"O impacto da retórica anti-LGBT por parte dos representantes governamentais é muito forte" disse uma defensora dos direitos das lésbicas referindo-se ao relatório da Human Rights Watch acrescentando que na Indonésia se estão a "dar passos a trás" no que diz respeito aos direitos fundamentais.

Lusa

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.