sicnot

Perfil

Mundo

Juiz sueco autorizado a interrogar Julian Assange na embaixada do Equador

Reuters

Um juiz sueco vai ser autorizado a interrogar o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012, anunciou o governo de Quito.

Julian Assange, cidadão australiano de 45 anos, é alvo de um mandado de captura no quadro de um processo de alegada violação na Suécia, em 2010.

Em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Equador refere que o interrogatório judicial pode vir a decorrer na embaixada de Quito em Londres onde o fundador do WikiLeaks se encontra refugiado.

No passado mês de fevereiro, Julian Assange conseguiu uma vitória importante junto do grupo de trabalho das Nações Unidas sobre prisões arbitrárias que considerou que a Suécia e o Reino Unido estão a cometer uma infração no contexto dos direitos fundamentais.

Mesmo assim, a Procuradoria sueca, que acompanha o processo da alegada violação, e a polícia britânica que pretende executar a ordem de captura rejeitaram os alertas das Nações Unidas.

O advogado do fundador do WikiLeaks apelou esta semana contra a decisão do tribunal sueco que mantém em vigor o mandado de captura, apesar dos avisos da ONU que considerou "prisão arbitrária" a permanência de Assange na embaixada do Equador em Londres.

O tribunal de Estocolmo anunciou no passado mês de maio que "Julian Assange continua a ser suspeito de violação e que existe o risco de fuga" e, por isso, mantém a ordem de prisão.

Julian Assange criou em 2006 o site WikiLeaks que difundiu a partir de novembro de 2010 mais de 250 mil telegramas diplomáticos norte-americanos, além de informações secretas dos Estados Unidos sobre a campanha militar no Iraque.

Assange receia ser extraditado para os Estados Unidos onde pode vir a ser condenado à morte ou a uma pesada pena de prisão pela divulgação dos documentos.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida