sicnot

Perfil

Mundo

Polícia brasileira faz grande operação em complexo de favelas no Rio de Janeiro

Complexo de favelas da Maré, Rio de Janeiro

© Ricardo Moraes / Reuters

A polícia brasileira está a fazer uma grande operação no complexo de favelas da Maré, no Rio de Janeiro, um dia depois de agentes da Força Nacional, destacados para fazer a segurança dos Jogos Olímpicos ali terem sido baleados.

Segundo informações da rede de televisão Globo, os acessos à Vila do João e à Vila dos Pinheiros, principais acessos do complexo de favelas, foram bloqueados por carros da Força Nacional por volta das 06:30 locais (10:30 em Lisboa).

As imagens mostram agentes fortemente armados fazendo um cerco nos acessos.

A área também é vigiada por atiradores de elite do Exército brasileiro.

Informações oficiais do Ministério da Justiça confirmaram que operações naquela comunidade estão a ser feitas hoje pela Polícia Federal e pelo Batalhão de Operações Especiais.

Na última quarta-feira um carro da Força Nacional entrou por engano na região. Três policiais que estavam no veículo foram atacados por criminosos que dominam a área, sendo que dois deles acabaram feridos.

Desde o início dos Jogos olímpicos do Rio de Janeiro cerca de 85 mil homens das polícias civil e militar, juntamente com agentes da Força Nacional, patrulham a cidade.

Apesar do reforço policial alguns incidentes de violência continuam a ser registados na cidade.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.