sicnot

Perfil

Mundo

Fethullah Gulen pede comissão internacional para investigar golpe na Turquia

© Charles Mostoller / Reuters

O pregador islamita Fethullah Gulen, acusado pelo presidente da Turquia de instigar a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho, voltou a negar a acusação e pediu que os factos sejam investigados por uma comissão internacional.

"Peço que uma comissão internacional independente investigue esta tentativa de golpe de Estado. Se uma décima parte das acusações contra mim for demonstrada, comprometo-me a regressar à Turquia e a receber a pena mais dura", afirmou Gulen num artigo de opinião publicado hoje pelo diário francês Le Monde.

"As probabilidades de ter um processo justo" na Turquia "são quase nulas", disse, frisando que "desde outubro de 2014 o sistema judicial está sob a tutela do poder".

O pregador, autoexilado nos Estados Unidos desde 1999, afirmou que condenou o golpe desde o primeiro momento e assegurou que o movimento que fundou, o Hizmet, não pretende o poder.

Se algum dos seguidores do seu movimento esteve implicado na tentativa de golpe, afirmou, trata-se de "traidores", que "provocaram danos à unidade e à integridade do país" e "devem ser castigados com as penas que merecem num processo justo".

Gulen acusou por outro lado o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, de ter aproveitado a tentativa de golpe para acentuar a repressão do seu movimento, iniciada em 2013, e qualificou de suspeita "a celeridade" com que Erdogan o apontou como instigador, quando "nenhum pormenor, nenhum motivo" estava ainda esclarecido.

"Esta tentativa de golpe de Estado é a ocasião de o governo turco provar todas as alegações contra mim", disse, acusando Erdogan de levar a cabo "um genocídio" contra os membros do seu movimento, cujos bens foram confiscados, contas bancárias bloqueadas e passaportes anulados.

"É um drama humanitário [...] Quase 90.000 pessoas perderam o emprego, 21.000 professores ficaram sem autorização para ensinar", disse.

Gulen admitiu que no início apoiou o partido de Erdogan, o AKP, apesar das reservas que lhe suscita o islão político, mas afastou-se porque o presidente "domesticou a imprensa e a oposição" na Turquia.

A tentativa de golpe de 15 de julho, afirmou, foi "a maior catástrofe da histórica recente" do país e "o pior ato terrorista perpetrado no seu território".

Na sua opinião, a reação do povo à tentativa de golpe impediu que este triunfasse, mas "não foi suficiente para podermos falar de uma vitória da democracia", porque "nem o domínio da minoria, nem da maioria, nem o autoritarismo eleito representam a democracia autêntica".

Lusa

  • Vários mortos em avalancha em Itália

    Mundo

    Várias pessoas morreram numa avalanche que atingiu um hotel numa estação de esqui na montanha de Gran Sasso, Itália. As equipas de socorro conseguiram resgatar duas pessoas, mas admitem ainda a existência de quase 30 mortos.

    Em desenvolvimento

  • Mortágua acusa PSD de andar a brincar com a vida das pessoas
    0:47

    Opinião

    No Esquerda/Direita da SIC Notícias, António Leitão Amaro reafirmou ontem à noite que o PSD não é contra o aumento do salário mínimo mas contra a descida da TSU. Já Mariana Mortágua acusou os sociais-democratas de andar a brincar com a vida dos portugueses.

  • Temperaturas negativas congelam rio em Bragança
    1:26

    País

    As baixas temperaturas os últimos dois dias, com as mínimas a descer até aos 10 graus negativos durante a noite e madrugada, congelaram o rio que atravessa a aldeia de Gimonde, no concelho de Bragança. O repórter da SIC João Faiões esteve esta manhã no local.

  • Pelo menos 30 mortos e 75 feridos em incêndio e derrocada de edifício em Teerão

    Mundo

    Pelo menos 30 bombeiros morreram esta quinta-feira e cerca de 75 pessoas ficaram feridas em Teerão, quando um edifício de 17 andares ruiu depois de ser consumido pelas chamas, noticiaram os meios de comunicação estatais iranianos. O edifício "Plasco" situa-se no centro da capital iraniana, a norte da zona do mercado.

    Em desenvolvimento

  • Os finalistas do Carro do Ano 2017 são...
    0:53

    Economia

    São sete os escolhidos pelos jurados do Carro do Ano, iniciativa do Expresso e da SIC Notícias. À final chegaram o Citroen C3 Pure Tech, o Hyundai IONIQ Hybrid Tech, da Kia o novo modelo Optima Sportwagon 1.7 CRDi GT Line, o Peugeot 3008 Allure 1.6 BlueHdi, o Renault Mégane Sport Tourer Energy dCI, o SEAT Ateca 1.6 TDI CR Style e ainda o Volvo V90.

  • Feriado no Carnaval e fim das pontes chumbados
    2:15

    País

    Nem o Carnaval vai passar a ser feriado, nem as pontes vão acabar. O PS rejeitou esta quarta-feira no Parlamento uma proposta do PSD para que os feriados a meio da semana sejam gozados na segunda-feira seguinte. Ao mesmo tempo, os socialistas recusaram duas propostas apoiadas pelos partidos de esquerda, para que o Carnaval passasse a ser sempre feriado.

  • As alterações na carta de condução que ajudam a poupar
    6:16