sicnot

Perfil

Mundo

Papa faz visita surpresa a ex-prostitutas em Roma

© Stefano Rellandini / Reuters

O Papa Francisco surpreendeu esta sexta-feira 20 antigas prostitutas quando lhes bateu à porta em Roma e entrou para conversar.

Francisco, que tem qualificado o tráfico humano por detrás da prostituição como "um crime contra a humanidade", sentou-se com o grupo que incluía duas mulheres da Albânia, sete da Nigéria e seis da Roménia.

As outras três eram de Itália, da Tunísia e da Ucrânia, segundo um comunicado do Vaticano.

As mulheres, todas com cerca de 30 anos, estão num apartamento na capital italiana depois de terem sido salvas por uma associação católica dos homens que as obrigavam a prostituir-se.

O Papa ouviu durante uma hora as histórias das antigas escravas sexuais, que "sofreram abusos físicos graves e vivem sob proteção", disse o Vaticano.

A visita foi feita durante as "Sextas-feiras de Misericórdia" de Francisco, nas quais o Papa realiza um ato de misericórdia que não está na agenda uma vez por mês à sexta-feira -- normalmente em Roma -- durante o ano do Jubileu do Papa, que começou em dezembro e termina em novembro.

Em janeiro, visitou um lar de idosos e, em fevereiro, foi a uma comunidade de toxicodependentes. Em março foi visitar um centro de refugiados e, depois, requerentes de asilo na ilha grega de Lesbos em abril.

O pontífice passou também algum tempo com pessoas com doenças mentais em maio e, em junho, visitou padres doentes. A "Sexta-feira de Misericórdia" de julho foi dedicada a crianças doentes em Cracóvia, depois de rezar pelas vítimas do holocausto no campo de concentração nazi de Auschwitz-Birkenau.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão