sicnot

Perfil

Mundo

Secretário-geral da ONU preocupado por "crise humanitária" na Venezuela

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, manifestou esta sexta-feira preocupação pela "crise humanitária" que afeta a Venezuela, vincando que aquele organismo está "pronto para ajudar" Caracas.

"Estou muito preocupado pela situação atual, em que as necessidades básicas não podem ser cobertas, como a comida, água, sanidade, roupa, porque não estão disponíveis", disse Ban Ki-moon, numa entrevista ao diário argentino La Nación.

Segundo Ban Ki-moon, a falta de resposta às "necessidades básicas" cria "uma crise humanitária na Venezuela".

"Toda esta situação [de crise humanitária] está criada pela instabilidade política. Antes que nada tem que haver estabilidade política. A ONU está pronta para ajudar, mas as potências e os organismos regionais já estão comprometidos", afirmou.

Por outro lado, frisou apoiar os esforços de mediação do ex-Presidente do Governo espanhol José Luís Rodríguez Zapatero, para um diálogo entre o Governo do Presidente Nicolás Maduro e da oposição, esperando que os resultados sejam positivos e que a Venezuela recupere a sua estabilidade política.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas da população de dificuldades para conseguir localmente produtos básicos e medicamentos.

Desde janeiro último que vigora no país um estado de "exceção e emergência económica". Vários ministros do Governo do Presidente Nicolás Maduro têm reconhecido publicamente que a situação é complicado, mas insistem que a situação não é de crise humanitária.

Organismos regionais, como a União de Nações da América do Sul (Unasul), a Organização de Estados Americanos (OEA) e o Mercado Comum do Sul (Mercosul) têm expressado preocupação pela situação venezuelana.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras