sicnot

Perfil

Mundo

Secretário-geral da ONU preocupado por "crise humanitária" na Venezuela

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, manifestou esta sexta-feira preocupação pela "crise humanitária" que afeta a Venezuela, vincando que aquele organismo está "pronto para ajudar" Caracas.

"Estou muito preocupado pela situação atual, em que as necessidades básicas não podem ser cobertas, como a comida, água, sanidade, roupa, porque não estão disponíveis", disse Ban Ki-moon, numa entrevista ao diário argentino La Nación.

Segundo Ban Ki-moon, a falta de resposta às "necessidades básicas" cria "uma crise humanitária na Venezuela".

"Toda esta situação [de crise humanitária] está criada pela instabilidade política. Antes que nada tem que haver estabilidade política. A ONU está pronta para ajudar, mas as potências e os organismos regionais já estão comprometidos", afirmou.

Por outro lado, frisou apoiar os esforços de mediação do ex-Presidente do Governo espanhol José Luís Rodríguez Zapatero, para um diálogo entre o Governo do Presidente Nicolás Maduro e da oposição, esperando que os resultados sejam positivos e que a Venezuela recupere a sua estabilidade política.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas da população de dificuldades para conseguir localmente produtos básicos e medicamentos.

Desde janeiro último que vigora no país um estado de "exceção e emergência económica". Vários ministros do Governo do Presidente Nicolás Maduro têm reconhecido publicamente que a situação é complicado, mas insistem que a situação não é de crise humanitária.

Organismos regionais, como a União de Nações da América do Sul (Unasul), a Organização de Estados Americanos (OEA) e o Mercado Comum do Sul (Mercosul) têm expressado preocupação pela situação venezuelana.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.