sicnot

Perfil

Mundo

Turquia acusa ex-futebolista Hakan Sukur de envolvimento no golpe de Estado

Após terminar a carreira como futebolista, Sukur (à direita) tornou-se membro do Partido da Justiça e do Desenvolvimento, liderado por Erdogan (à esquerda), tendo sido eleito deputado, em 2011. Contudo, nos últimos anos, Sukur opôs-se às medidas impostas por Erdogan.

© Umit Bektas / Reuters

O ex-jogador de futebol turco Hakan Sukur é alvo de um mandado de captura por alegado envolvimento na tentativa de golpe de Estado de 15 de julho, noticia hoje a imprensa da Turquia.

Segundo as notícias, Sukur é acusado pelas autoridades judiciais da província de Sakarya, a leste de Istambul, de estar envolvido na organização liderada por Fethullah Gulen, exilado nos Estados Unidos, e apontado por Ancara como o organizador da intentona militar.

De acordo com a agência de notícias Anadolu, a acusação refere que o antigo jogador de futebol internacional turco "é membro de um grupo terrorista armado": a Organização Terrorista Fethullah (FETO, na sigla em turco), tal como é designado pelo governo de Ancara o organismo supostamente liderado por Fethullah Gulen.

O líder religioso, e membro da oposição, exilado em território norte-americano já negou a existência de qualquer organização relacionada com o golpe de Estado falhado de 15 de julho.

A agência Anadalou refere também que foi emitido uma ordem de prisão que visa o pai de Selmet Sukur.

A mesma notícia indica que os dois homens não foram encontrados pela polícia nas residências de que são proprietários em Ancara e Sakarya, depois de terem sido decretadas as ordens de prisão, acrescentando que vários familiares do jogador abandonaram a Turquia em 2015.

A nota da agência Anadalou afirma que é possível que Sukur se encontre nos Estados Unidos.

Hakan Sukur foi uma das estrelas da seleção de futebol da Turquia, que conseguiu o terceiro lugar no Campeonato Mundial de Futebol de 2002.

O ponta-de-lança Hakan Sukur foi jogador de futebol entre 1987 e 2007 tendo sido o melhor marcador da história da Turquia.

Além de ter jogado no clube de Istambul, Galatasaray, fez parte das equipas do Inter de Milão e Parma, em Itália e do Blackburn Rovers, no Reino Unido.

O golo que marcou contra a seleção da Coreia do Sul, nos primeiros segundos da partida, em 2002, continua a ser o golo mais rápido da história dos campeonatos mundiais de futebol.

Após terminar a carreira como futebolista, Sukur tornou-se membro do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), liderado por Erdogan, tendo sido eleito deputado, em 2011.

Sukur apresentou a demissão depois de revelados escândalos de corrupção que visavam a família do presidente turco e de várias outras personalidades do partido no poder, tendo-se aproximado do movimento de Gulen, antigo aliado do chefe de Estado e líder do AKP.

Nos últimos anos, Sukur opôs-se às medidas impostas por Erdogan que obrigaram ao encerramento das escolas fundadas pelo Hizmet, o movimento fundado por Gulen.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.