sicnot

Perfil

Mundo

Ataque em comboio na Suíça faz seis feridos

Um homem incendiou este sábado uma carruagem de um comboio na Suíça utilizando um líquido inflamável e também esfaqueou passageiros, ferindo seis pessoas, incluindo uma criança de seis anos, informou a polícia. O homem, um cidadão suíço de 27 anos, realizou o ataque num comboio que circulava no leste da Suíça, na fronteira com o Liechtenstein, e também ficou ferido, indicou num comunicado a polícia regional de St. Gallen.

A polícia disse que o ataque ocorreu por volta das 14:20 locais (13:20 em Lisboa) quando o comboio, que fazia a ligação entre Buchs e Sennwald, se encontrava perto da estação de Salez.

"De acordo com a informação que temos de momento, o homem suíço de 27 anos derramou um líquido inflamável ... (que) se incendiou", indicou a polícia, adiantando que o homem "também estava armado com pelo menos uma faca".

Sete pessoas incluindo o suspeito foram transportadas para vários hospitais com queimaduras e facadas, refere o comunicado.

As vítimas incluem dois homens de 17 e 50 anos e três mulheres de 17, 34 e 43 anos.

Dezenas de pessoas estavam no comboio na altura do ataque, indica ainda o comunicado da polícia, que disse à agência France Presse desconhecer o motivo do ataque.

Várias equipas de socorro deslocaram-se para o local, incluindo a polícia, bombeiros, ambulâncias e três helicópteros.

A polícia disse que o comboio sofreu danos avaliados em mais de 100.000 francos suíços (92.000 euros), enquanto os procuradores de Saint Gallen abriram uma investigação criminal ao sucedido.

Com Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.