sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 81 mil funcionários afastados após a tentativa de golpe na Turquia

Os trabalhadores do setor público turco, que foram despedidos ou suspensos depois do fracassado golpe militar de 15 de julho, são mais de 81 mil, afirmou este sábado o primeiro-ministro turco, Binali Yildirim.

"Foram suspensas de cargos 76.597 pessoas e foram expulsas de cargos de funcionários 4.897. Há mais de 3.000 militares e, quanto aos restantes, são juízes e funcionários civis. Somando suspensos e expulsos, o total é de 81.494 pessoas", indicou o responsável.

Os funcionários suspensos são suspeitos de ligações ao pregador islamita Fethullah Gulen, acusado pelo presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, de instigar a tentativa de golpe.

O pregador, autoexilado nos Estados Unidos desde 1999, já afirmou que condenou o golpe desde o primeiro momento e assegurou que o movimento que fundou não pretende o poder.

Num discurso divulgado pela cadeia de televisão NTV, Binali Yildirim acusou os membros da confraria de Gulen de "terem criado redes de comunicação privadas" e disse que existem mais de 50 mil nomes envolvidos.

Grande parte dos funcionários turcos afastados depende do Ministério da Educação. Foram anuladas as licenças de ensino de 21 mil professores e destituídos 15.200 funcionários.

Lusa

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19