sicnot

Perfil

Mundo

Paquistão promete no Dia da Independência vingar vítimas de ataques

O Paquistão assinalou este domingo o Dia da Independência com a promessa de vingar as vítimas de ataques como o de há seis dias em Quetta (oeste), que provocou 72 mortos e mais de cem feridos num dos piores atentados este ano naquele país.

"Estamos em dívida com o sangue de cada mártir. Vingamo-nos primeiro do sangue de cada inocente e depois voltar-nos-emos a vingar", afirmou o Presidente paquistanês, Mamnoon Hussain, no discurso feito no 69.º aniversário da criação do país.

Segundo Hussain, o ocorrido em Quetta "afligiu toda a nação e cada paquistanês está solidário com as famílias enlutadas". "O sangue dos mártires de Quetta não será em vão", garantiu.

Na passada segunda-feira um homem fez detonar as bombas que transportava num hospital para o qual havia sido transladado o corpo de um advogado assassinado a tiro horas antes.

O ataque foi reivindicado pelo grupo talibã Jamaat ul Ahrar e pelo Daesh.

"A ameaça do terrorismo será eliminada do país", assegurou o chefe de Estado numa referência à Zarb-e-Azb, a operação do exército paquistanês em zonas tribais do país que começou em junho de 2014 e que resultou na morte de cerca de 3.400 supostos rebeldes.

Segundo Mamnoon Hussain, esta operação "está nas suas últimas etapas" e "produziu resultados promissores", pelo que "irá continuar até estar concluída".

O Governo e o exército paquistaneses atribuem à Zarb-e-Azb a diminuição da violência no país, onde o número de vítimas civis em ataques terroristas caiu para praticamente metade no primeiro semestre do ano face ao mesmo período de 2014, apesar de atentados como o de Quetta e o ocorrido no passado mês de março, que provocou 73 mortos e mais de 300 feridos em Lahore, na zona este do país.

O Paquistão comemorou a sua independência face ao império britânico com cerimónias militares e de hastear da bandeira nacional.

Lusa

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.