sicnot

Perfil

Mundo

Paquistão promete no Dia da Independência vingar vítimas de ataques

O Paquistão assinalou este domingo o Dia da Independência com a promessa de vingar as vítimas de ataques como o de há seis dias em Quetta (oeste), que provocou 72 mortos e mais de cem feridos num dos piores atentados este ano naquele país.

"Estamos em dívida com o sangue de cada mártir. Vingamo-nos primeiro do sangue de cada inocente e depois voltar-nos-emos a vingar", afirmou o Presidente paquistanês, Mamnoon Hussain, no discurso feito no 69.º aniversário da criação do país.

Segundo Hussain, o ocorrido em Quetta "afligiu toda a nação e cada paquistanês está solidário com as famílias enlutadas". "O sangue dos mártires de Quetta não será em vão", garantiu.

Na passada segunda-feira um homem fez detonar as bombas que transportava num hospital para o qual havia sido transladado o corpo de um advogado assassinado a tiro horas antes.

O ataque foi reivindicado pelo grupo talibã Jamaat ul Ahrar e pelo Daesh.

"A ameaça do terrorismo será eliminada do país", assegurou o chefe de Estado numa referência à Zarb-e-Azb, a operação do exército paquistanês em zonas tribais do país que começou em junho de 2014 e que resultou na morte de cerca de 3.400 supostos rebeldes.

Segundo Mamnoon Hussain, esta operação "está nas suas últimas etapas" e "produziu resultados promissores", pelo que "irá continuar até estar concluída".

O Governo e o exército paquistaneses atribuem à Zarb-e-Azb a diminuição da violência no país, onde o número de vítimas civis em ataques terroristas caiu para praticamente metade no primeiro semestre do ano face ao mesmo período de 2014, apesar de atentados como o de Quetta e o ocorrido no passado mês de março, que provocou 73 mortos e mais de 300 feridos em Lahore, na zona este do país.

O Paquistão comemorou a sua independência face ao império britânico com cerimónias militares e de hastear da bandeira nacional.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.