sicnot

Perfil

Mundo

Ban Ki-moon afirma que "está na hora" de uma mulher ser secretária-geral da ONU

© Sergei Karpukhin / Reuters

O atual secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, afirmou que chegou a altura de a organização internacional ter liderança feminina, quando o cargo de secretário-geral é disputado por 11 candidatos, incluindo cinco mulheres.

"Temos muitas líderes mulheres distintas e eminentes em governos nacionais ou em outras organizações ou mesmo em comunidades empresariais, comunidades políticas e culturais, e em todos os aspetos da nossa vida", afirmou o secretário-geral da ONU durante uma deslocação ao estado norte-americano da Califórnia, citado esta terça-feira pela imprensa internacional.

"Não existe nenhuma razão para que isso não aconteça nas Nações Unidas", acrescentou o representante que está na reta final do seu segundo mandato de cinco anos.

Para o atual secretário-geral, segundo o jornal britânico The Guardian, "está na hora" de uma mulher liderar as Nações Unidas pela primeira vez desde que aquela organização internacional foi fundada há mais de 70 anos e após oito homens terem assumido tal responsabilidade.

Atualmente, o cargo de secretário-geral das Nações Unidas está a ser disputado por 11 candidatos: seis homens e cinco mulheres.

Entre os candidatos está o ex-primeiro-ministro português e antigo Alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados António Guterres.

De acordo com as mesmas declarações, Ban Ki-moon frisou que a decisão de escolher o próximo líder da ONU não será sua, recordando que compete aos 15 Estados-membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas recomendarem um candidato e a respetiva aprovação aos 193 membros da Assembleia-geral.

Nas duas votações informais realizadas até à data junto dos 15 estados-membros do Conselho de Segurança da ONU António Guterres foi o candidato mais apoiado.

Sem dar nomes, Ban Ki-moon disse que existem "muitas distintas e motivadas líderes mulheres que podem realmente mudar o mundo", que podem assumir uma posição proativa junto a outros líderes mundiais.

"Esta é a minha humilde sugestão, mas isso compete aos Estados-membros", concluiu.

A ministra dos Negócios Estrangeiros argentina, Susana Malcorra; a ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark, a diretora-geral da UNESCO, a búlgara Irina Bokova; a costa-riquenha Christiana Figueres (que tem o mais alto cargo relacionado com o clima na ONU) e a vice-primeira-ministra da Moldávia e ministra dos Negócios Estrangeiros e da Integração Europeia, Natalia Gherman são as mulheres que desejam assumir a liderança da ONU.

A ex-ministra croata Vesna Pusic também foi candidata, mas desistiu da corrida.

A próxima votação informal dos membros do Conselho Segurança da ONU, a terceira, está agendada para 29 de agosto.

Lusa

  • Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já têm cadastro
    1:59

    Crise no Sporting

    Sete dos 23 arguidos do caso da Academia de Alcochete já foram condenados por 22 crimes que cometeram no passado, mas nunca nenhum deles cumpriu pena de prisão ou prisão domiciliária. O juiz decretou a prisão preventiva na sequência das agressões à equipa do Sporting por entender que se tratou de um comportamento chocante, terrorista e a perversão do espírito desportivo.

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • Abate de animais nos canis proibido a partir de setembro
    1:35

    País

    O abate de animais nos canis passa a ser proibido a partir de setembro. Só em 2017, foram mortos cerca de 12 mil cães e gatos, uma média de um abate por hora. O Governo lançou um programa de incentivos financeiros de um milhão de euros, que ainda está a decorrer.

  • Cabazes solidários oferecidos pelo Governo encontrados no lixo
    0:57
  • Colheita da cereja já arrancou no Fundão
    1:54

    País

    A colheita das primeiras cerejas da época já começou no Fundão. A campanha atrasou um mês em relação a anos anteriores, por causa do inverno que se prolongou, mas os produtores garantem que o fruto é de qualidade.