sicnot

Perfil

Mundo

EUA transferem 15 presos de Guantánamo para os Emirados Árabes Unidos

Quinze presos da prisão de Guantánamo foram transferidos para os Emirados Árabes Unidos, sendo o maior grupo libertado nos últimos anos, anunciou o Pentágono.

"Os Estados Unidos agradecem ao governo dos Emirados Árabes Unidos pelo seu gesto humanitário e vontade em apoiar os esforços dos Estados Unidos para fechar o estabelecimento prisional de Guantánamo", disse o Pentágono, em comunicado.

Com esta transferência, o número de presos que ainda se encontra na prisão de Guantánamo desce para 61.

A transferência dos presos tinha sido já anunciada pela Amnistia Internacional, mas o Pentágono tinha, até agora, recusado comentar essa informação.

A prisão foi criada quando George W. Bush era presidente dos Estados Unidos, para manter os prisioneiros da "guerra contra o terrorismo", depois do 11 de setembro de 2001.

O atual presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu encerrar a prisão em 2009, mas isso não aconteceu até agora, apesar de as libertações terem acelerado nos últimos tempos.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".