sicnot

Perfil

Mundo

Hollande pede a Merkel e Poroshenko para ser evitada violência na Ucrânia

Angela Merkel, François Hollande e Petro Poroshenko

© Axel Schmidt / Reuters

O Presidente francês, François Hollande, pediu esta terça-feira à chanceler alemã, Angela Merkel, e ao chefe de Estado ucraniano, Petro Poroshenko, para ser evitada qualquer escalada do conflito no este da Ucrânia.

Em comunicado, a Presidência francesa explicou que François Hollande reiterou aos seus interlocutores a sua disponibilidade para uma nova cimeira, no âmbito do chamado formato da Normandia (Ucrânia, Rússia, França e Alemanha).

François Hollande sublinhou que a França não reconhece, nem reconhecerá a "anexão ilegal" da Crimeia pela Rússia, mas também defendeu a necessidade de prosseguirem as negociações para se chegar a um consenso pacífico para aquela região ucraniana.

A solução, segundo a Presidência francesa, implicará o "restabelecimento da segurança, um cessar-fogo duradouro e a organização de eleições no âmbito da legislação ucraniana e o respeito dos direitos internacionais".

O Eliseu defendeu igualmente a aplicação do "conjunto dos acordos de Minsk".

Lusa

  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.

  • Inspetores do SEF cansados das promessas do Governo
    1:00

    País

    O sindicato do SEF garante que a segurança contra o terrorismo vai ser assegurada na greve de quinta-feira e sexta-feira nos aeroportos. Acácio Pereira, do sindicato, diz que os inspetores são quase escravos e que estão fartos das promessas do Governo. A greve deverá afetar cerca de 30 mil pessoas. 

  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".