sicnot

Perfil

Mundo

Mansão da Playboy vendida por 88 milhões de euros

O fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, vendeu a sua célebre mansão em Los Angeles por 100 milhões de dólares (cerca de 88 milhões de euros) ao seu vizinho Daren Metropoulos, informou esta terça-feira a imprensa local.

© Mario Anzuoni / Reuters

Hugh Hefner tinha inicialmente colocado a casa à venda por 200 milhões de dólares (cerca de 177 milhões de euros).

O contrato inclui de compra e venda inclui que Hugh Hefner, de 90 anos, possa residir na casa até ao resto da sua vida.

O fundador da revista Playboy comprou a casa, situada nas colinas de Holmby Hills, em Los Angeles, em 1970 por um milhão de dólares (cerca de 885 mil euros).

"A mansão da Playboy foi o centro criativo de 'Hef', a sua residência e o seu local de trabalho durante os últimos 40 anos e vai continuar a ser, mesmo que seja vendida", indicou, em comunicado, o diretor executivo da Playboy Enterprises, Scott Flanders, quando a casa foi colocada à venda.

O novo proprietário da casa, conhecida mundialmente pelas festas e as "coelhitas" da Playboy, é Daren Metropoulos, de 33 anos, diretor da empresa com o mesmo nome.

Daren Metropoulos adquiriu em 2006 a casa adjacente à mansão da Playboy e no futuro pretender unir as duas casas, que quando foram construídas, nos anos 20, faziam parte da mesma propriedade.

Lusa

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.