sicnot

Perfil

Mundo

Mansão da Playboy vendida por 88 milhões de euros

O fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, vendeu a sua célebre mansão em Los Angeles por 100 milhões de dólares (cerca de 88 milhões de euros) ao seu vizinho Daren Metropoulos, informou esta terça-feira a imprensa local.

© Mario Anzuoni / Reuters

Hugh Hefner tinha inicialmente colocado a casa à venda por 200 milhões de dólares (cerca de 177 milhões de euros).

O contrato inclui de compra e venda inclui que Hugh Hefner, de 90 anos, possa residir na casa até ao resto da sua vida.

O fundador da revista Playboy comprou a casa, situada nas colinas de Holmby Hills, em Los Angeles, em 1970 por um milhão de dólares (cerca de 885 mil euros).

"A mansão da Playboy foi o centro criativo de 'Hef', a sua residência e o seu local de trabalho durante os últimos 40 anos e vai continuar a ser, mesmo que seja vendida", indicou, em comunicado, o diretor executivo da Playboy Enterprises, Scott Flanders, quando a casa foi colocada à venda.

O novo proprietário da casa, conhecida mundialmente pelas festas e as "coelhitas" da Playboy, é Daren Metropoulos, de 33 anos, diretor da empresa com o mesmo nome.

Daren Metropoulos adquiriu em 2006 a casa adjacente à mansão da Playboy e no futuro pretender unir as duas casas, que quando foram construídas, nos anos 20, faziam parte da mesma propriedade.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.