sicnot

Perfil

Mundo

Sete civis mortos na Arábia Saudita por roquete disparado do Iémen

Um roquete disparado por rebeldes iemenitas para a Arábia Saudita provocou a morte de sete civis, referiu esta terça-feira a agência de defesa civil.

Aquele foi o número mais elevado de vítimas civis registado no sul do reino, desde que uma coligação, liderada pela Arábia Saudita, iniciou uma intervenção militar no Iémen.

"Provocou a morte a quatro civis e três residentes", disse o porta-voz da defesa civil da cidade de Najran.

Segundo a mesma fonte, o pessoal da emergência foi alertado às 17:00 locais (15:00 em Lisboa), depois de terem sido informados que um "roquete militar disparado do Iémen atingiu a cidade de Najran".

Na segunda-feira, 11 pessoas foram mortas e 19 ficaram feridas num ataque aéreo, da coligação liderada pela Arábia Saudita, no Iémen que atingiu um hospital dos Médicos Sem Fronteiras.

O ataque ocorreu numa região controlada pelos rebeldes no norte do país.

Os Estados Unidos manifestaram a sua preocupação depois de ter sido anunciado o bombardeamento do hospital, mas sem condenarem explicitamente a coligação árabe liderada pela Arábia Saudita.

Washington tem apoiado desde o início do conflito, em março de 2015, a coligação liderada por Riade, continuando a vender equipamento de defesa à Arábia Saudita.

A coligação árabe tem intensificado os ataques a posições dos rebeldes desde o fim das conversações de paz no Kuwait, no passado dia 6 de agosto.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas infetadas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32