sicnot

Perfil

Mundo

Síria e Rússia usam "armas incendiárias" contra civis, alerta a HRW

© Bassam Khabieh / Reuters

Aviões sírios e russos têm usado repetidamente armas incendiárias em ataques "vergonhosos" contra civis no norte da Síria, denunciou hoje a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

A HRW disse ter documentado o uso de armas incendiárias pelo menos 18 vezes desde junho. "Há provas convincentes" de que a Rússia está a apoiar os planos do Governo sírio nesses ataques, referiu a ONG, a partir de Nova Iorque.

"Os governos sírio e da Rússia devem parar imediatamente de atacar áreas civis com armas incendiárias", afirmou um dos diretores da organização, Steve Goose.

"Os ataques vergonhosos com armas incendiárias na Síria mostram um grande fracasso em aderir ao direito internacional que restringe as armas incendiárias", disse.

Quando são lançadas dos aviões, as bombas incendiárias deixam rastos distintos de explosivos no céu e desencadeiam pequenos e intensos incêndios nos locais onde caem.

Este tipo de armamento foi amplamente utilizado durante a guerra do Vietname e foi proibido pela Convenção das Nações Unidas sobre Armas Convencionais.

A HRW documentou ataques com tais armas desde o início de junho, incluindo dois casos a 7 de agosto, que atingiram partes controlada pela oposição nas cidades de Alepo e Idleb.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) declarou também ter documentado o uso de termite - um tipo de substância incendiária - por aviões russos em Idleb, Alepo, Deir Ezzor e Raqa.

No início deste mês, ativistas em Daraya, uma cidade sitiada pelos rebeldes perto de Damasco, acusou o regime da utilização proibida de 'napalm' (composto químico incendiário) contra os moradores.

Grupos opostos na guerra na Síria trocam regularmente acusações de ataques contra civis e uso de armas não-convencionais, incluindo gases de cloro e mostarda.

Numa carta à HRW em novembro, a Rússia reconheceu que o "uso impróprio" de armas incendiárias tinha resultado em "danos humanitários significativos" na Síria.

Desde 2012, a HRW documentou o uso de quatro diferentes armas incendiárias na Síria, todas fabricadas pela antiga União Soviética.

Mais de 290.000 pessoas foram mortas e milhões forçadas a abandonar suas casas desde que o conflito da Síria, que eclodiu em março de 2011.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".