sicnot

Perfil

Mundo

Nicolás Maduro declara-se em "guerra" pela presidência do Mercosul

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, declarou-se esta quarta-feira em "guerra" contra a Argentina, Brasil e Paraguai pela presidência do Mercado Comum do Sul (Mercosul), organismo cuja liderança a Venezuela reivindica.

"Vamos lutar para salvar o Mercosul da tripla aliança da ultradireita que pretende destruí-lo a partir do interior", disse Maduro num discurso transmitido pelo canal estatal Venezuelana de Televisão (VTV).

Nicolás Maduro denunciou que, segundo o ministro de Relações Exteriores uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, o Governo interino do Brasil tentou comprar o Uruguai para forçar uma "saída ilegal" da Venezuela do Mercosul, impedindo Caracas de exercer a presidência rotativa daquele organismo.

Na sua intervenção, o chefe de Estado venezuelano agradeceu ao seu homólogo uruguaio, Tabaré Vásquez, "a forma moral que tem demonstrado" perante as alegadas pressões do Presidente interino brasileiro Michel Temer.

Nicolás Maduro instou o Paraguai, Argentina e Brasil a debaterem a situação do seu país, insistindo que desde a adesão (04 de julho de 2006) a Venezuela cumpriu com mais requisitos do Protocolo de Adesão ao Mercosul que alguns dos países fundadores.

No passado dia 06 de agosto, a Venezuela içou a bandeira do Mercosul e emitiu um comunicado a sublinhar que assumira a presidência rotativa da organização, acusando ao mesmo tempo Argentina, Paraguai e Brasil de "boicote" contra Caracas.

Antes, a 29 de julho, a Venezuela anunciou que assumia a presidência rotativa do Mercosul, depois de o Uruguai, em comunicado, dar por concluída a sua gestão de seis meses, sem anunciar a qual país membro da organização passava a pasta.

O Brasil informou os outros três Estados-membros do Mercosul (Uruguai, Paraguai e Argentina) que entendia que a presidência rotativa estava "vaga", por não haver consenso relativamente à Venezuela.

O Paraguai anunciou ser contra a possibilidade da Venezuela dirigir o Mercosul, e a Argentina afirmou que não reconhece a presidência venezuelana da organização.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28