sicnot

Perfil

Mundo

Nicolás Maduro declara-se em "guerra" pela presidência do Mercosul

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, declarou-se esta quarta-feira em "guerra" contra a Argentina, Brasil e Paraguai pela presidência do Mercado Comum do Sul (Mercosul), organismo cuja liderança a Venezuela reivindica.

"Vamos lutar para salvar o Mercosul da tripla aliança da ultradireita que pretende destruí-lo a partir do interior", disse Maduro num discurso transmitido pelo canal estatal Venezuelana de Televisão (VTV).

Nicolás Maduro denunciou que, segundo o ministro de Relações Exteriores uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, o Governo interino do Brasil tentou comprar o Uruguai para forçar uma "saída ilegal" da Venezuela do Mercosul, impedindo Caracas de exercer a presidência rotativa daquele organismo.

Na sua intervenção, o chefe de Estado venezuelano agradeceu ao seu homólogo uruguaio, Tabaré Vásquez, "a forma moral que tem demonstrado" perante as alegadas pressões do Presidente interino brasileiro Michel Temer.

Nicolás Maduro instou o Paraguai, Argentina e Brasil a debaterem a situação do seu país, insistindo que desde a adesão (04 de julho de 2006) a Venezuela cumpriu com mais requisitos do Protocolo de Adesão ao Mercosul que alguns dos países fundadores.

No passado dia 06 de agosto, a Venezuela içou a bandeira do Mercosul e emitiu um comunicado a sublinhar que assumira a presidência rotativa da organização, acusando ao mesmo tempo Argentina, Paraguai e Brasil de "boicote" contra Caracas.

Antes, a 29 de julho, a Venezuela anunciou que assumia a presidência rotativa do Mercosul, depois de o Uruguai, em comunicado, dar por concluída a sua gestão de seis meses, sem anunciar a qual país membro da organização passava a pasta.

O Brasil informou os outros três Estados-membros do Mercosul (Uruguai, Paraguai e Argentina) que entendia que a presidência rotativa estava "vaga", por não haver consenso relativamente à Venezuela.

O Paraguai anunciou ser contra a possibilidade da Venezuela dirigir o Mercosul, e a Argentina afirmou que não reconhece a presidência venezuelana da organização.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.