sicnot

Perfil

Mundo

Papa e Hollande falam sobre terrorismo em encontro privado no Vaticano

O encontro entre o Papa e o Presidente francês decorreu à porta fechada.

© Remo Casilli / Reuters

O Papa Francisco e o Presidente francês, François Hollande, tiveram esta quarta-feira um encontro privado no Vaticano no qual conversaram sobre terrorismo, extremismo religioso e a crise de refugiados, entre outros assuntos, segundo indicou o chefe de Estado francês.

O encontro à porta fechada entre Hollande e Jorge Bergoglio decorreu num pequeno estúdio da Aula Paulo VI, no Vaticano, e realizou-se dois anos e meio depois do último encontro entre os dois representantes, em janeiro de 2014.

A audiência privada demorou 40 minutos e contou com a ajuda de um intérprete, como confirmou a Santa Sé, que não forneceu mais detalhes sobre o encontro. Depois do encontro, os dois representantes realizaram a habitual troca de presentes.

Antes do encontro, François Hollande, que assume-se como ateu, afirmou que pretendia expressar a "gratidão" do povo francês pelas "palavras muito reconfortantes" que o pontífice proferiu após os recentes ataques que abalaram a França, nomeadamente o assassínio de um padre dentro de uma igreja de Saint-Etienne-du-Rouvray, na região da Normandia (norte), por dois extremistas.

O Papa Francisco endereçou mensagens de apoio ao povo francês após o ataque contra o padre Jacques Hamel, de 84 anos, a 26 de julho, mas também depois do atentado em Nice, perpetrado durante as comemorações do feriado nacional do 14 de julho (Dia da Bastilha), que fez 85 mortos.

"É importante dizer ao papa que somos sensíveis às suas palavras", afirmou Hollande, acrescentando que as palavras de Francisco "contribuíram para apelar à unidade de França".

O chefe de Estado francês esteve acompanhado por uma delegação composta, entre outros elementos, pelo ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, e pelo embaixador de França junto da Santa Sé, Philippe Zeller.

Momentos antes da visita ao Vaticano, Hollande deslocou-se à igreja São Luís dos Franceses, no centro de Roma, onde permaneceu uns momentos em silêncio e recordou as vítimas dos mais recentes atentados terroristas no território francês.

Hollande estará na próxima segunda-feira na ilha italiana de Ventotene, onde vai participar numa cimeira com o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, e com a chanceler alemã, Angela Merkel, para analisar os desafios que enfrenta a União Europeia (UE) após a saída do Reino Unido.

Lusa

  • França tem uma guerra para travar contra o Daesh
    3:09

    Mundo

    Nunca a ameaça terrorista islâmica à Europa foi tão grande. Estas são as palavras de François Hollande, que se deslocou à Normandia, onde dois homens armados invadiram uma igreja e mataram um padre. O Presidente francês admitiu que o Daesh declarou uma guerra e afirma que esta tem de ser vencida através de quaisquer meios. Contudo, lembra que os meios têm de ser dentro da lei, uma vez que é isso que faz uma democracia. Já o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy afirma que a alma de França foi atingida e insiste em medidas urgentes. O Papa Francisco reagiu logo após o atentado, condenando radicalmente o "ataque bárbaro".

  • Presidente francês recebido pela primeira vez pelo Papa
    2:05

    Mundo

    O Presidente francês, François Hollande, foi recebido pela primeira vez no Vaticano. A crise na Síria e liberdade religiosa foram alguns dos temas da reunião. A visita aconteceu horas após uma explosão perto de uma igreja francesa de Roma, tendo a segurança sido reforçada.

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.