sicnot

Perfil

Mundo

Rajoy tem "carta branca" do PP para negociar com Ciudadanos

Reuters

O líder do Partido Popular (PP), Mariano Rajoy, disse hoje que o Comité Executivo Nacional do partido o autorizou a negociar com Albert Rivera, do Ciudadanos, e assegurou que fará todos os possíveis para formar um Governo.

Rajoy, que falava numa conferência de imprensa após a reunião onde lhe foi dada "carta branca" para negociar com o partido de Rivera, adiantou que não foram discutidas as condições do Ciudadanos.

Numa reunião com Rajoy na passada quarta-feira Rivera apresentou seis condições para uma reforma do sistema democrático e para um reforço da luta contra a corrupção na política para apoiar um governo liderado pelo PP.

O presidente do PP disse ainda que quer falar com o líder do PSOE, Pedro Sánchez, para saber se quer "uma repetição das eleições" e "qual é a data que considera melhor para a tomada de posse".

"O PSOE parece que prefere repetir eleições, o que não me agrada, por isso devo ter (...) uma conversa com Pedro Sánchez", acrescentou.

Assegurando que fará tudo o que poder para formar um governo, Rajoy advertiu que "a responsabilidade não é apenas do PP" e que a tomada de posse não será possível se o PSOE "não der o passo" necessário.

Recordou que se conseguir o "sim" do Ciudadanos e da Coalición Canaria, com a qual também mantém contactos, conseguirá 170 votos, mas necessitará ainda de pelo menos 11 abstenções para tomar posse como primeiro-ministro.

O líder do PP assinalou que é "um disparate prolongar esta situação" e prometeu aos espanhóis "lutar até ao final" para que as eleições não tenham de ser repetidas e para que "a política espanhola recupere a sua maturidade".

O Partido Popular foi a força mais votada nas eleições de 26 de junho, elegendo 137 deputados num total de 350, mas precisa do apoio do PSOE e do Ciudadanos para poder formar um governo minoritário.

O PSOE ficou em segundo lugar, com 85 deputados, a aliança de esquerda Unidos-Podemos em terceiro, com 71, e o Ciudadanos em quarto, com 32 assentos.

Tratou-se da segunda vez em menos de um ano que os espanhóis foram chamados a eleger os seus deputados, na tentativa de desbloquear o impasse político resultante das eleições de 20 de dezembro de 2015.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.