sicnot

Perfil

Mundo

Hollande admite recandidatar-se se tiver hipóteses de ganhar eleições

© Philippe Wojazer / Reuters

O Presidente francês, François Hollande, admitiu, num livro a ser lançado sexta-feira, ter vontade de se recandidatar ao cargo em 2017, mas apenas o fará se tiver hipóteses de ganhar, apesar da sua impopularidade no país.

"Os anos passam sem vida pessoal. Eu sei o que representa... mas o desejo, tenho-o. É a minha inclinação pessoal", afirmou aos autores do livro "Conversas Privadas com o Presidente", os jornalistas Antonin André e Karim Rissouli.

Nas "conversas privadas", François Hollande admitiu que "não escolherá candidatar-se, caso as evidências demonstrem que não existe possibilidade de vitória", sublinhando que a partir dos 60 anos, o tempo conta de forma diferente.

No livro, o chefe de Estado francês admitiu também deixar a política, caso venha a candidatar-se e a perder as próximas eleições presidenciais.

As últimas sondagens realizadas em França são desfavoráveis a François Hollande, criticado até pelos eleitores de esquerda.

Oito em cada dez franceses estão em desacordo com a política seguida pelo Presidente, segundo uma sondagem divulgada no final de julho.

Uma outra sondagem, refere que 73% dos eleitores franceses não querem a reeleição de François Hollande em 2017.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15