sicnot

Perfil

Mundo

Quatro mortos e sete feridos em ataque a coluna militar no sudeste da Turquia

Thanassis Stavrakis

Três soldados turcos e um "guarda de aldeia", milícia curda pró-Ancara, morreram e sete militares ficaram esta quinta-feira feridos num ataque a uma coluna militar em Bitlis, no sudeste da Turquia, informou a agência noticiosa Anadolu.

A agência pró-governamental atribui o ataque, ocorrido numa zona rural do distrito de Hizan, aos "terroristas", modo como o Estado turco designa os rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Dois outros atentados no leste da Turquia desde quarta-feira à noite foram atribuídos ao PKK.

Segundo o jornal Hurriyet, pelo menos três pessoas morreram esta quinta-feira e uma centena ficou ferida quando um veículo armadilhado explodiu junto a uma esquadra da polícia em Elazig, no leste da Turquia.

Algumas horas antes, três pessoas tinham morrido num ataque semelhante na província de Van, no sudeste do país. A explosão de um carro armadilhado junto a uma esquadra de polícia causou ainda cerca de 120 feridos, informaram as autoridades.

As forças de segurança são alvo de ataques quase diários do PKK, depois do fim do cessar-fogo unilateral, na sequência do fracasso das negociações de paz com o governo turco, em julho de 2015.

A luta armada do PKK por uma maior autonomia para os mais de 12 milhões de curdos que vivem no país já fez mais de 40.000 mortos desde o seu início em 1984.

Perto de 600 polícias e soldados morreram em atentados apenas desde o final das tréguas.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.