sicnot

Perfil

Mundo

Ministro turco diz que 6.500 espiões tinham ligações a Gülen até 2014

Das 7.000 pessoas que trabalhavam antes de 2014 no setor de espionagem da Turquia, 6.500 tinham ligações a Fethullah Gülen, acusado de ser o "cérebro" da tentativa de golpe de Estado, afirmou esta sexta-feira o ministro do Interior.

Segundo Efkan Ala, até dezembro de 2013 os serviços secretos dependentes do seu ministério estavam infiltrados pela "Organização Terrorista Fethullah Gülen (FETÖ)", designação que o governo utiliza para se referir à estrutura daquele clérigo.

"De 7.000 funcionários, 6.500 eram membros da FETÖ, mas limpámos tudo", afirmou o ministro em entrevista à cadeia televisiva NTV.

Efkan Ala indicou que o serviço de espionagem da 'gendarmaria' -- um corpo de estrutura militar mas sob a dependência do Interior -- "reconstruir-se-á na totalidade", enquanto o serviço secreto principal, conhecido pela sigla MIT, também "sofre, por esta altura, deficiências tanto estruturais como funcionais".

No futuro, o 'grosso' do MIT dedicar-se-á à espionagem externa, mas ainda se debate que papel irá desempenhar internamente, acrescentou o ministro.

Efkan Ala ilustrou ainda a penetração da irmandade criada por Güllen na Administração com o exemplo de chefes de polícia que foram mudados em 74 das 81 províncias da Turquia devido a vínculos ao clérigo, inimigo "número um" do Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, exilado nos Estados Unidos.

As autoridades turcas lançaram uma purga massiva, na sequência da tentativa de golpe de estado de 15 de julho, para afastar e deter apoiantes do movimento de Gülen em cargos na função pública, forças armadas, magistratura, no sistema de ensino e empresas.

A operação tem suscitado fortes protestos no estrangeiro.

Desde o fracassado golpe, aproximadamente 40 mil pessoas foram detidas, das quais 20 mil ficaram em prisão preventiva; enquanto 80 mil funcionários ou professores foram suspensos das suas funções ou expulsos do trabalho.

Hoje mesmo, o Ministério Público de Istambul emitiu um mandado de detenção contra 145 pessoas por supostas ligações à Fethullah Gülen, incluindo 62 académicos ou funcionários de universidades.

A luta de poder entre a irmandade de Gülen e as autoridades estalou em dezembro de 2013.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.