sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades israelitas prolongam prisão de jornalista por três meses

As autoridades israelitas prolongaram por três meses a prisão sem julgamento ou acusação de um jornalista palestiniano que alegam pertencer a uma "organização terrorista", divulgou esta sábado uma organização não-governamental palestiniana.

Omar Nazzal, membro do Sindicato dos Jornalistas Palestinianos, foi preso a 23 de abril na fronteira entre a Cisjordânia, território palestiniano ocupado por Israel, e a Jordânia, onde deveria ter apanhado um avião para ir ao Congresso da Federação Europeia de Jornalistas na Bósnia.

Os palestinianos acreditam que este é mais um ataque à liberdade de imprensa por parte de Israel e várias organizações internacionais apelaram à libertação de Nazzal, de 54 anos, que está em greve de fome desde 04 de agosto.

Um tribunal militar de Israel decidiu em maio colocar Nazzal em detenção administrativa até 22 de agosto, "devido à sua participação numa organização terrorista" e "não por causa de suas ações como jornalista", precisou o Exército israelita.

O jornalista deveria ser libertado ou acusado na segunda-feira, mas os seus advogados foram informados de que a prisão administrativa seria prorrogada por três meses, informou o Grupo de Prisioneiros Palestinianos.

Israel acusa Nazzal de estar implicado "nas atividades do grupo terrorista Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP)", a esquerda histórica palestiniana.

A detenção administrativa é um regime extrajudicial herdado das leis de emergência do mandato britânico sobre a Palestina, que permite à Israel prender os suspeitos por períodos renováveis indefinidamente, sem serem acusado ou sem se fornecer um advogado.

Segundo o Sindicato dos Jornalistas Palestinianos, além de Nazzal, 19 outros jornalistas ou estudantes de jornalismo estão detidos em Israel.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.