sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades israelitas prolongam prisão de jornalista por três meses

As autoridades israelitas prolongaram por três meses a prisão sem julgamento ou acusação de um jornalista palestiniano que alegam pertencer a uma "organização terrorista", divulgou esta sábado uma organização não-governamental palestiniana.

Omar Nazzal, membro do Sindicato dos Jornalistas Palestinianos, foi preso a 23 de abril na fronteira entre a Cisjordânia, território palestiniano ocupado por Israel, e a Jordânia, onde deveria ter apanhado um avião para ir ao Congresso da Federação Europeia de Jornalistas na Bósnia.

Os palestinianos acreditam que este é mais um ataque à liberdade de imprensa por parte de Israel e várias organizações internacionais apelaram à libertação de Nazzal, de 54 anos, que está em greve de fome desde 04 de agosto.

Um tribunal militar de Israel decidiu em maio colocar Nazzal em detenção administrativa até 22 de agosto, "devido à sua participação numa organização terrorista" e "não por causa de suas ações como jornalista", precisou o Exército israelita.

O jornalista deveria ser libertado ou acusado na segunda-feira, mas os seus advogados foram informados de que a prisão administrativa seria prorrogada por três meses, informou o Grupo de Prisioneiros Palestinianos.

Israel acusa Nazzal de estar implicado "nas atividades do grupo terrorista Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP)", a esquerda histórica palestiniana.

A detenção administrativa é um regime extrajudicial herdado das leis de emergência do mandato britânico sobre a Palestina, que permite à Israel prender os suspeitos por períodos renováveis indefinidamente, sem serem acusado ou sem se fornecer um advogado.

Segundo o Sindicato dos Jornalistas Palestinianos, além de Nazzal, 19 outros jornalistas ou estudantes de jornalismo estão detidos em Israel.

Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.