sicnot

Perfil

Mundo

Irão recebe encomenda de mísseis russos vetada em 2007

O ministro da Defesa iraniano, Hoseein Dehgán, confirmou este sábado que o país já recebeu a totalidade dos mísseis antiaéreos russos S-300, através de um contrato bilateral muito criticado pelos Estados Unidos da América, Israel e Arábia Saudita.

Em 2007, a Rússia e o Irão celebraram um contrato de 800 milhões de dólares para a venda de pelo menos cinco baterias de mísseis S-300, um dos modelos mais avançados do mundo, o que foi considerado uma ameaça por países como a Arábia Saudita e Israel.

Contudo, em 2010, o então Presidente russo, Dmitri Medvedev, vetou a entrega daquele material militar ao Irão no quadro das sanções impostas contra o país devido ao seu programa nuclear.

Em abril passado, o Presidente russo, Vladimir Putin, eliminou o veto e prometeu entregar os mísseis ao Irão, muito embora com uma renegociação do contrato e o levantamento da ação que Teerão pusera no Tribunal Arbitral Internacional por suspensão do dito acordo.

Os S-300, análogos aos mísseis "Patriot" norte-americanos, têm um alcance até 200 quilómetros, permitindo ao Irão contar em breve com um escudo antimísseis invulnerável para defender as suas infraestruturas vitais, face a um eventual ataque externo.

Segundo a agência oficial iraniana de notícias, IRNA, Dehgán afirmou, paralelamente, que o Irão é autossuficiente na questão das armas ligeiras e individuais e tem capacidade de produção, não estando dependente de países estrangeiros.

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33