sicnot

Perfil

Mundo

Delegação EUA na Turquia para investigar sobre envolvimento de Gülen no golpe

© Charles Mostoller / Reuters

Uma delegação oficial norte-americana reúne-se a partir de terça-feira com as autoridades turcas no âmbito de um inquérito sobre o ex-imã Fethullah Gülen, responsabilizado por Ancara pelo golpe falhado de julho, indicou esta segunda-feira uma fonte diplomática turca.

A delegação, composta por quatro elementos do departamento de Justiça e do departamento de Estado, manterá reuniões de caráter jurídico com as autoridades turcas sobre Gülen, exilado nos Estados Unidos da América e cuja extradição Ancara exige, um dia antes da visita à capital turca do vice-Presidente norte-americano, Joe Biden, na quarta-feira, acrescentou a mesma fonte, a coberto do anonimato.

Após a tentativa de golpe de Estado, a 15 de julho, o Governo turco pediu aos Estados Unidos "a detenção urgente e a extradição" de Fethullah Gülen, residente em território norte-americano desde 1999.

O ministro da Justiça turco, Bekir Bozdag, fez no início de agosto um segundo pedido a Washington para a detenção de Gülen.

Depois das reuniões agendadas para terça e quarta-feira, uma equipa do Ministério da Justiça turco deslocar-se-á também aos EUA.

Os EUA, aliados da Turquia na NATO, não mostraram pressa em agir neste caso.

O ex-imã turco de 75 anos, exilado voluntário nos EUA, negou firmemente qualquer envolvimento no golpe de Estado.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Viver em Évora
    5:11
  • Ano letivo "de uma maneira geral começou bem"

    País

    O Presidente da República considerou esta sexta-feira que o ano letivo "de uma maneira geral começou bem" e defendeu a possibilidade serem feitas "correções" a situações "injustas ou discutíveis" entre os concursos que se realizam de quatro em quatro anos.