sicnot

Perfil

Mundo

Israel bombardeia posições em Gaza em resposta a disparo de rocket

© Ibraheem Abu Mustafa / Reuter

Aviões de guerra da Força Aérea israelita realizaram bombardeamentos no domingo sobre posições de grupos armados no norte de Gaza, causando dois feridos, em resposta ao lançamento de um rocket contra o sul de Israel, informaram fontes israelitas.

As fontes de segurança palestinianas indicaram que tanques israelitas posicionados na fronteira do nordeste de Gaza e Israel dispararam nove rondas sobre áreas agrícolas na localidade de Beit Hanun, no norte de França, sem causar vítimas.

Testemunhas relataram que aparelhos não tripulados e caças israelitas sobrevoaram a zona e lançaram 15 ataques consecutivos sobre postos e instalações pertencentes ao movimento islamita Hamas, à 'Jihad' Islâmica e à Frente Popular para a Libertação da Palestina.

O porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, Ashraf al Qedra, informou que dois civis ficaram feridos em dois bombardeamentos israelitas e foram levados para o hospital.

Fontes de segurança indicaram que na tarde e noite de domingo o exército israelita realizou bombardeamentos aéreos em Gaza em resposta ao disparo prévio do projétil contra o sul de Israel.

O 'rocket' atingiu uma zona residencial da cidade israelita de Sderot, vizinha de Gaza, sem provocar feridos.

O exército israelita confirmou os últimos bombardeamentos da Força Aérea e num comunicado indicou que tiveram como alvo posições do Hamas no norte da Faixa de Gaza.

A nota afirma também que desde o início de 2016 foram lançados 14 'rockets' a partir de Gaza, afetando Israel.

Uma fação armada salafista assumiu em comunicado a autoria do disparo de quatro 'rockets' contra Israel, um dos quais atingiu Sderot.

Israel e as milícias armadas em Gaza têm respeitado, com alguns altos e baixos, o cessar-fogo que pôs fim ao último conflito bélico na zona, em agosto de 2014.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.