sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry diz que "é provável" reunião com MNE russo em breve

O secretário de Estado norte-americano considerou esta segunda-feira provável uma reunião em breve com o seu homólogo russo sobre a Síria, quando as duas potências discutem há várias semanas uma eventual cooperação militar para combater os jihadistas naquele país.

"De facto, estamos neste momento em conversações, que decorrem há várias semanas, e espero que estejamos prestes a concluí-las, de uma forma ou de outra", declarou John Kerry numa conferência de imprensa em Nairobi.

"Nos próximos dias, as nossas equipas (norte-americana e russa) vão reunir-se e, em função do resultado das conversações, é muito possível, provável mesmo, que o ministro dos Negócios Estrangeiros (Serguei) Lavrov e eu nos encontremos", acrescentou.

O chefe da diplomacia norte-americano precisou, contudo, que tal decisão será tomada em função do ponto em que Washington e Moscovo estiverem nos próximos dias.

Kerry emitiu estas declarações quando lhe perguntaram a sua opinião sobre o anúncio hoje pelo Governo iraniano do fim dos ataques aéreos na Síria pela Rússia a partir do aeródromo militar iraniano de Hamedan.

O governante norte-americano não quis comentar esse anúncio, dizendo aos jornalistas que deveriam abordar o assunto com os dirigentes russos e iranianos.

Os Estados Unidos e os seus parceiros da coligação internacional que combate ao Daesh efetuam há dois anos bombardeamentos sobre a Síria e o Iraque, enquanto a Rússia realiza ataques aéreos desde há quase um ano, para apoiar as forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

A entrada em jogo de Moscovo na guerra na Síria nunca dissuadiu John Kerry de procurar uma via de cooperação entre Estados Unidos e Rússia.

Numa visita de Kerry a Moscovo em meados de julho, as duas potências chegaram a acordo sobre "medidas concretas", que foram mantidas confidenciais, para salvar o cessar-fogo e combater os jihadistas.

O secretário de Estado norte-americano prometeu no fim de julho anúncios para o início de agosto sobre esta eventual colaboração militar entre os dois países.

A 16 de agosto, o porta-voz do departamento de Estado, Mark Toner, deu igualmente conta das discussões em curso: "Continuamos a falar com a Rússia (...) sobre um cessar-fogo nacional sério, uma abertura total à ajuda humanitária e uma retomada das negociações (entre o regime sírio e a oposição) em Genebra".

O porta-voz referia-se ao plano internacional para encontrar uma solução política para a guerra na Síria.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.