sicnot

Perfil

Mundo

Mais 20 turistas chineses colocados na "lista negra" por comportamento impróprio

​As autoridades chinesas estão a aplicar regras mais rigorosas sobre o comportamento dos turistas do país, com 20 infratores acusados de perturbar a ordem pública a serem incluídos na "lista negra", avançou a imprensa estatal.

Os turistas que registem comportamentos impróprios, incluindo discutir, trepar estátuas ou roubar património paisagístico, serão incluídos na lista, ao longo de três anos, segundo os novos regulamentos aprovados pela administração do turismo chinês.

Durante aquele período, os infratores ficam proibidos de voar para fora do país ou participar em excursões.

Nos últimos anos, vários casos de comportamento impróprio foram noticiados na China.

Em janeiro passado, 25 passageiros foram detidos pela polícia para interrogatório depois de se terem envolvido em confrontos com membros da tripulação de um avião na sequência de um atraso devido ao mau tempo e de terem aberto as saídas de emergência.

Em 2014, uma disputa motivada pela disposição dos assentos levou uma passageira a despejar sobre uma hospedeira uma taça de massa com água a ferver numa hospedeira.

Em 2013, um funcionário do Governo destruiu computadores num balcão de embarque e tentou partir uma janela com uma tabuleta, depois de ter perdido dois voos.

Numa iniciativa semelhante, a administração do turismo chinês publicou o "Guia do turista bem comportado", com recomendações como evitar meter os dedos no nariz em público ou limpar os dentes com os dedos.

Segunda maior economia mundial, a seguir aos Estados Unidos da América, a China é o maior emissor mundial de turistas.

Pelas contas do Governo chinês, 120 milhões de chineses viajaram para fora da China Continental em 2015, um aumento de 19,5% face ao ano anterior.

Lusa

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10