sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro de Itália defende refundação da UE após Brexit

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, afirmou hoje que a União Europeia vai precisar de se refundar, depois da vitória dos partidários da saída do Reino Unido da UE (Brexit) no referendo realizado em junho.

"É fácil culpar a Europa de tudo. Mais difícil é tentar construir uma Europa diferente, que dê mais atenção aos valores e menos à alta finança", escreveu Renzi na sua página no 'Facebook', explicando por que convidou a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, para uma míni-cimeira hoje na ilha italiana de Ventotene.

"É isso que estamos a tentar fazer com toda a energia que temos", acrescentou.

As perspetivas económicas da UE, os ataques 'jihadistas', a crise de refugiados e migrantes, a guerra na Síria e as relações com a Rússia e com a Turquia estão, além do Brexit, na agenda do encontro entre os três dirigentes.

Renzi, Merkel e Hollande vão tentar chegar a uma posição comum, com vista à cimeira informal europeia de Bratislava, onde vai ser debatido o futuro da UE a 27.

O primeiro-ministro italiano admitiu que a saída do Reino Unido do bloco coloca desafios difíceis à UE.

"Confrontados com problemas, temos uma escolha: encontrar um culpado ou encontrar uma solução", escreveu.

"Estamos a trabalhar para resolver os problemas. E isso significa que queremos uma Europa pós-Brexit, que foi atingida no coração pelo terrorismo, que relance um ideal baseado na unidade e na paz, na liberdade e no sonho, no diálogo e na identidade", acrescentou.

Renzi deverá receber Hollande e Merkel em Nápoles cerca das 14:00 TMG (15:00 em Lisboa), seguindo depois para Ventotene, onde visitarão o túmulo de Altero Spinelli, considerado um dos fundadores do ideal da integração europeia.

A reunião de hoje é a segunda entre os três dirigentes desde o referendo britânico de 23 de junho. Na primeira, realizada dias depois da consulta, Renzi, Merkel e Hollande apelaram para "um novo impulso" na UE.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida