sicnot

Perfil

Mundo

Rússia deixou de usar as bases iranianas para atacar a Síria

O Irão anunciou esta segunda-feira que a Rússia já deixou de usar bases iranianas para atacar a Síria.

O porta-voz de Teerão esclareceu que Moscovo não tem uma base no Irão. Esta foi uma missão temporária, coordenada com as autoridades iranianas e que terminou por agora.

O Governo do Irão manifestou desconforto pela forma como a Rússia publicitou o uso da base iraniana para os ataques à Síria. Para o Teerão, Moscovo quis mostrar-se uma potência influente, que está na linha da frente, sem ter em conta a posição do Irão.

Na semana passada, Moscovo divulgou imagens dos bombardeiros russos que após descolarem da base iraniana de Hamadan despejavam bombas na Síria.

A Rússia e o Irão são aliados do regime de Damasco.

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • O perfil dos novos ministros
    3:22

    País

    Pedro Siza Vieira e Eduardo Cabrita são os dois novos ministros que tomam posse no próximo sábado. Ambos têm uma particularidade: são amigos de longa data do primeiro-ministro António Costa.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.