sicnot

Perfil

Mundo

Seul e Washington iniciam exercício militar entre ameaças de Pyongyang

Dezenas de milhares de tropas sul-coreanas e norte-americanas iniciaram hoje um exercício militar simulando uma ofensiva da Coreia do Norte, com Pyongyang a ameaçar com um ataque preventivo contra as forças que participam no exercício.

O exercício anual de duas semanas Ulchi Freedom é, em grande parte, simulado digitalmente, mas envolve, ainda assim, 50 mil soldados coreanos e 30 mil norte-americanos.

Este exercício gera sempre um aumento das tensões na península coreana, mas este ano acontece num momento em que as relações estão particularmente voláteis, após uma série de casos de desertores de alto nível.

No domingo, o Ministério da Unificação em Seul instou todos os cidadãos a estarem atentos a "ameaças terroristas norte-coreanas" e alertou para possíveis tentativas de assassinato de desertores e ativistas anti-Pyongyang no Sul.

Ulchi Freedom simula um cenário de invasão de alta escala pela Coreia do Norte, em que esta está munida de armas nucleares. Tanto Seul como Washington sublinham que o exercício tem uma natureza puramente defensiva.

Pyongyang encara o exercício como uma provocação. O Exército Popular Coreano emitiu um comunicado hoje, ameaçando com uma resposta militar ao que descreve como um ensaio de um ataque nuclear surpresa e invasão ao Norte.

As tropas de linha da frente da Coreia do Norte estão "totalmente prontas para lançar uma ofensiva preventiva de retaliação a todos os grupos inimigos envolvidos no ataque", disse um porta-voz do exército norte-coreano.

A mais pequena violação da soberania territorial norte-coreana durante o exercício militar pode resultar em que a fonte da provocação seja transformada "numa pilha de cinzas através de um ataque nuclear preventivo de estilo coreano", afirmou o porta-voz.

Pyongyang já fez ameaças semelhantes no passado, mas os analistas acreditam que o risco de um incidente não intencional se transformar num confronto militar é este ano mais elevado devido à falta de comunicação entre as duas Coreias.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.