sicnot

Perfil

Mundo

Socialistas vão tomar Venezuela no dia 1 de setembro

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o do partido do Governo do Presidente Nicolás Maduro, anunciou esta segunda-feira que convocou os militantes para realizem uma "tomada da Venezuela" no próximo dia 1 de setembro.

"Nós iremos por toda a Venezuela. Vamos tomar toda a Venezuela, todas as praças, todas as autoestradas e cidades, para assegurar a paz", disse o dirigente do PSUV Jorge Rodrígeuz.

O também presidente do Município Libertador (o maior da capital) falava durante uma conferência de imprensa em San Bernardino (Caracas), durante a qual acusou a oposição de pretender gerar violência no país.

"Qualquer intenção violenta cria sempre angústia e ansiedade. Não o permitiremos. A nossa presença nas ruas de toda a Venezuela será uma demonstração da nossa indeclinável decisão de manter toda a ação política no curso que a Constituição impõe", disse.

A 17 de agosto, a aliança da oposição na Venezuela, a Mesa de Unidade Democrática (MUD), anunciou que vai "tomar" a cidade de Caracas, "pelos quatro pontos cardeais", para exigir a realização de um referendo revogatório do mandato do Presidente Nicolás Maduro.

"Vamos encher a cidade de manifestantes pelo oeste, este, norte e sul", anunciou o deputado Luís Florido, do partido Vontade Popular.

Com a "tomada" de Caracas, a 01 de setembro, a oposição pretende que o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) fixe a data para que a oposição recolha as assinaturas e impressões digitais de 20% dos eleitores, aproximadamente quatro milhões dos inscritos no registo eleitoral, para ativar o referendo.

"Será um marco na história da Venezuela, vai marcar um antes e um depois. Vamos exigir o revogatório, caso contrário, o povo vai fazer valer o artigo 350", frisou, fazendo referência ao artigo da Constituição que contempla a "desobediência civil" perante "qualquer regime, legislação ou autoridade que contrarie os valores, princípios e garantias democráticas ou menospreze os direitos humanos".

A oposição quer realizar o referendo revogatório ainda em 2016 e tem acusado o Conselho Nacional Eleitoral de atrasar a calendarização das diferentes etapas do processo.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

Se o referendo for convocado para depois dessa data, o vice-Presidente da Venezuela em funções, atualmente Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

Simpatizantes de Nicolás Maduro e ministros do seu Governo têm insistido que será impossível realizar o referendo ainda em 2016.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.