sicnot

Perfil

Mundo

Socialistas vão tomar Venezuela no dia 1 de setembro

O Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o do partido do Governo do Presidente Nicolás Maduro, anunciou esta segunda-feira que convocou os militantes para realizem uma "tomada da Venezuela" no próximo dia 1 de setembro.

"Nós iremos por toda a Venezuela. Vamos tomar toda a Venezuela, todas as praças, todas as autoestradas e cidades, para assegurar a paz", disse o dirigente do PSUV Jorge Rodrígeuz.

O também presidente do Município Libertador (o maior da capital) falava durante uma conferência de imprensa em San Bernardino (Caracas), durante a qual acusou a oposição de pretender gerar violência no país.

"Qualquer intenção violenta cria sempre angústia e ansiedade. Não o permitiremos. A nossa presença nas ruas de toda a Venezuela será uma demonstração da nossa indeclinável decisão de manter toda a ação política no curso que a Constituição impõe", disse.

A 17 de agosto, a aliança da oposição na Venezuela, a Mesa de Unidade Democrática (MUD), anunciou que vai "tomar" a cidade de Caracas, "pelos quatro pontos cardeais", para exigir a realização de um referendo revogatório do mandato do Presidente Nicolás Maduro.

"Vamos encher a cidade de manifestantes pelo oeste, este, norte e sul", anunciou o deputado Luís Florido, do partido Vontade Popular.

Com a "tomada" de Caracas, a 01 de setembro, a oposição pretende que o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) fixe a data para que a oposição recolha as assinaturas e impressões digitais de 20% dos eleitores, aproximadamente quatro milhões dos inscritos no registo eleitoral, para ativar o referendo.

"Será um marco na história da Venezuela, vai marcar um antes e um depois. Vamos exigir o revogatório, caso contrário, o povo vai fazer valer o artigo 350", frisou, fazendo referência ao artigo da Constituição que contempla a "desobediência civil" perante "qualquer regime, legislação ou autoridade que contrarie os valores, princípios e garantias democráticas ou menospreze os direitos humanos".

A oposição quer realizar o referendo revogatório ainda em 2016 e tem acusado o Conselho Nacional Eleitoral de atrasar a calendarização das diferentes etapas do processo.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

Se o referendo for convocado para depois dessa data, o vice-Presidente da Venezuela em funções, atualmente Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

Simpatizantes de Nicolás Maduro e ministros do seu Governo têm insistido que será impossível realizar o referendo ainda em 2016.

Lusa

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.