sicnot

Perfil

Mundo

Mausoléus destruídos em Timbuktu foram escolhidos para dar exemplo

O 'jihadista' maliano escolheu destruir os mausoléus de Timbuktu mais frequentados "para que servissem de exemplo", revelaram hoje as audições de testemunhas de acusação no segundo dia deste processo histórico no Tribunal Penal Internacional (TPI).

Acusado de ter participado na destruição de nove de 16 mausoléus e da porta da mesquita Sidi Yahia em junho e julho de 2012, Ahmad al-Faqi al-Mahdi "escolheu os túmulos onde a maioria das 'transgressões' tinha ocorrido", segundo o investigador que conduziu o seu interrogatório em 2015 no Níger.

Al-Mahdi, que estava na altura à frente da brigada islâmica dos costumes, a Hisbah, deveria acabar com as concentrações e as orações naqueles locais, consideradas "um defeito visível", disse a primeira testemunha de acusação.

Segundo a lei islâmica, é proibido "venerar quem quer que seja que não Deus", bem como construir mausoléus sobre as sepulturas, precisou.

As personagens veneradas a que dizem respeito os mausoléus valem a Timbuktu a designação de "cidade dos 333 santos", reconhecidos como protetores da cidade e a quem se apela para proteger casamentos ou para pedir chuva, de acordo com especialistas malianos do islão.

O conjunto de mausoléus e outros locais religiosos de Timbuktu foi declarado património da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) em 1988.

Al-Mahdi, o primeiro acusado de crimes de guerra pela destruição de património da humanidade, pediu na segunda-feira perdão pelos seus atos e declarou-se culpado.

O réu era membro do Ansar Dine, um dos grupos 'jihadistas' que controlaram o norte do Mali durante cerca de 10 meses em 2012 até ser desencadeada uma intervenção militar internacional por iniciativa da França.

A UNESCO já restaurou os túmulos destruídos em Timbuktu, situada a 1.000 quilómetros a nordeste da capital do Mali, Bamako.

Lusa

  • Fogo em Nisa e Gavião em fase de resolução

    País

    Os incêndios que lavram em Albarrol, no concelho de Nisa, e Belver, de Gavião, entraram hoje de madrugada em fase de resolução, mantendo-se ainda por dominar no distrito de Portalegre o fogo em Portas do Rodão, segundo a Proteção Civil.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51