sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 450 "detidos ou intimados" no Irão por utilizarem redes sociais

O Irão tem "detidos ou intimados" pelo menos 450 utilizadores das redes sociais devido à sua atividade online, informaram esta terça-feira as autoridades.

Segundo a Gherdab, braço cibernético da polícia religiosa iraniana, as pessoas "detidas ou intimadas" tinham páginas nas redes sociais, incluindo aplicações para telemóveis como o Instagram, Telegram e a WhatsApp.

"Aquelas pessoas estavam a realizar atividades imorais, insultaram as crenças religiosas ou tiveram atividades ilegais na área da moda", explicou a Gherdab, acrescentando que todos vão ser levados a julgamento.

As autoridades iranianas tentam há anos impor restrições no acesso às redes sociais aos seus cidadãos.

O Facebook e o Twitter são oficialmente proibidos na república islâmica, mas o Instagram, Telegram e WhatsApp estão disponíveis e são muito populares entre os iranianos.

O Presidente do Irão, o moderado Hassan Rohani, tem insistido que as medidas para limitar o acesso às redes sociais são ineficazes.

Lusa

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.