sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 450 "detidos ou intimados" no Irão por utilizarem redes sociais

O Irão tem "detidos ou intimados" pelo menos 450 utilizadores das redes sociais devido à sua atividade online, informaram esta terça-feira as autoridades.

Segundo a Gherdab, braço cibernético da polícia religiosa iraniana, as pessoas "detidas ou intimadas" tinham páginas nas redes sociais, incluindo aplicações para telemóveis como o Instagram, Telegram e a WhatsApp.

"Aquelas pessoas estavam a realizar atividades imorais, insultaram as crenças religiosas ou tiveram atividades ilegais na área da moda", explicou a Gherdab, acrescentando que todos vão ser levados a julgamento.

As autoridades iranianas tentam há anos impor restrições no acesso às redes sociais aos seus cidadãos.

O Facebook e o Twitter são oficialmente proibidos na república islâmica, mas o Instagram, Telegram e WhatsApp estão disponíveis e são muito populares entre os iranianos.

O Presidente do Irão, o moderado Hassan Rohani, tem insistido que as medidas para limitar o acesso às redes sociais são ineficazes.

Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".