sicnot

Perfil

Mundo

Poroshenko volta a defender regresso da Crimeia à soberania ucraniana

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, afirmou hoje que a bandeira da Ucrânia tem de voltar a ser hasteada na península da Crimeia, anexada pela Rússia, e nas cidades de Donetsk e Lugansk (leste), ocupadas pelos separatistas pró-russos.

"Temos a tarefa extremamente complexa de voltar a hastear a nossa bandeira em Donetsk e Lugansk, em Simferopol e Sebastopol", disse o presidente numa cerimónia comemorativa do Dia da Bandeira.

Poroshenko aludiu aos tempos do domínio soviético, quando as autoridades faziam todos os esforços para ocultar a história da bandeira ucraniana e para evitar que as suas cores -- azul e amarelo -- aparecessem juntas.

"Mostrar publicamente a bandeira nacional era um ato de heroísmo, porque essas ações, raras naquela época, eram consideradas um crime especialmente grave", disse, mencionando Vasili Kuksa e Gueorgui Moskalenko, que há meio século foram condenados a penas de prisão por hastearem a bandeira ucraniana no edifício do Instituto de Economia de Kiev.

Petro Poroshenko pediu que fosse observado um minuto de silêncio em memória dos mortos na luta pela independência da Ucrânia, cujo 25.º aniversário se celebra na quarta-feira.

O chefe de Estado anunciou que vai hoje visitar as regiões orientais do país, até à linha de demarcação, para cumprimentar os militares.

"São eles o principal garante da nossa liberdade, da nossa democracia e da nossa soberania", disse.

O conflito armado no leste da Ucrânia, desencadeado em abril de 2014, fez mais de 10.000 mortos, segundo a ONU.

Lusa

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),

  • "A maioria das pessoas que criticou André Ventura nunca viveu esses problemas"
    3:43

    Opinião

    A polémica em torno das declarações do candidato do PSD à Câmara de Loures, André Ventura, sobre o modo de vida da etnia cigana no concelho, esteve em análise no Jornal da Noite desta segunda-feira. Miguel Sousa Tavares defende que "os problemas existem mas não podem ser generalizados". O comentador SIC considera, ainda assim, que André Ventura tem razão quando diz que "a maioria das pessoas que o criticou nunca viveu esses problemas".

    Miguel Sousa Tavares