sicnot

Perfil

Mundo

Acusação pede 9 a 11 anos de prisão para jihadista que destruiu mausoléus no Mali

© POOL New / Reuters

A acusação pediu esta quarta-feira oficialmente uma pena de nove a 11 anos de prisão para o 'jihadista' maliano que está a ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) pela destruição de mausoléus em Timbuktu.

"Hoje, após dois dias de audiência e praticamente no fim deste julgamento, a acusação pede que o tribunal determine uma pena que fique entre os nove e os 11 anos de prisão", declarou Gilles Dutertre, representante da procuradora.

Acusação e defesa tinham anunciado na abertura do julgamento na segunda-feira que Ahmad al-Faqi al-Mahdi se comprometia a não recorrer se a condenação fosse equivalente à pena pedida. Este acordo não é vinculativo para os juízes, que podem decidir-se por uma pena de até 30 anos de prisão.

O acusado declarou-se na segunda-feira culpado pela destruição em junho e julho de 2012 de nove mausoléus e da porta da mesquita de Sidi Yahia, monumentos classificados com património mundial da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Esta pena reflete um "equilíbrio justo e considerável entre o efeito dissuasor que deve ter e a atitude" do acusado, segundo Dutertre.

Al-Mahdi, na altura dos acontecimentos chefe da brigada islâmica dos costumes, "teve um comportamento sem precedentes perante o tribunal: reconheceu os factos, expressou remorsos e colaborou com a acusação", adiantou.

Mas foi também o líder dos ataques visando acabar com as orações e rituais realizados naqueles locais, contrários à lei islâmica, disse ainda o representante da procuradora.

As personagens veneradas a que dizem respeito os mausoléus valem a Timbuktu a designação de "cidade dos 333 santos", reconhecidos como protetores da cidade e a quem se apela para proteger casamentos ou para pedir chuva.

Professor e depois diretor de escola, Al-Mahdi era um especialista de religião do Ansar Dine, um dos grupos 'jihadistas' que controlaram o norte do Mali durante cerca de 10 meses em 2012, até ser desencadeada uma intervenção militar internacional por iniciativa da França.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59