sicnot

Perfil

Mundo

Acusação pede 9 a 11 anos de prisão para jihadista que destruiu mausoléus no Mali

© POOL New / Reuters

A acusação pediu esta quarta-feira oficialmente uma pena de nove a 11 anos de prisão para o 'jihadista' maliano que está a ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) pela destruição de mausoléus em Timbuktu.

"Hoje, após dois dias de audiência e praticamente no fim deste julgamento, a acusação pede que o tribunal determine uma pena que fique entre os nove e os 11 anos de prisão", declarou Gilles Dutertre, representante da procuradora.

Acusação e defesa tinham anunciado na abertura do julgamento na segunda-feira que Ahmad al-Faqi al-Mahdi se comprometia a não recorrer se a condenação fosse equivalente à pena pedida. Este acordo não é vinculativo para os juízes, que podem decidir-se por uma pena de até 30 anos de prisão.

O acusado declarou-se na segunda-feira culpado pela destruição em junho e julho de 2012 de nove mausoléus e da porta da mesquita de Sidi Yahia, monumentos classificados com património mundial da humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Esta pena reflete um "equilíbrio justo e considerável entre o efeito dissuasor que deve ter e a atitude" do acusado, segundo Dutertre.

Al-Mahdi, na altura dos acontecimentos chefe da brigada islâmica dos costumes, "teve um comportamento sem precedentes perante o tribunal: reconheceu os factos, expressou remorsos e colaborou com a acusação", adiantou.

Mas foi também o líder dos ataques visando acabar com as orações e rituais realizados naqueles locais, contrários à lei islâmica, disse ainda o representante da procuradora.

As personagens veneradas a que dizem respeito os mausoléus valem a Timbuktu a designação de "cidade dos 333 santos", reconhecidos como protetores da cidade e a quem se apela para proteger casamentos ou para pedir chuva.

Professor e depois diretor de escola, Al-Mahdi era um especialista de religião do Ansar Dine, um dos grupos 'jihadistas' que controlaram o norte do Mali durante cerca de 10 meses em 2012, até ser desencadeada uma intervenção militar internacional por iniciativa da França.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.